Idosa cristã cuida de crianças carentes há 60 anos: “Deus me guiou em todas as coisas”

Ao lado do marido, Veryl, que se formou em enfermagem, construiu um hospital onde acolhia crianças carentes e enfermas.

fonte: Guiame, com informações do Eternity News

Atualizado: Sexta-feira, 19 Fevereiro de 2021 as 10:10

Hoje com 91 anos, Very cuidou de crianças carentes por 60 anos. (Foto: Reprodução / Eternity)
Hoje com 91 anos, Very cuidou de crianças carentes por 60 anos. (Foto: Reprodução / Eternity)

Veryl foi levada para a igreja quando tinha 2 anos de idade, por sua mãe, para frequentar a escola dominical. “Eu cresci ouvindo sobre Jesus. Quando eu tinha cerca de dez anos, havia um orador na igreja. Ele falou sobre Jesus na cruz e mencionou o centurião que estava sob a cruz. Depois que Jesus morreu, o homem viu o que aconteceu e disse: ‘Certamente, ele era o Filho de Deus!’ (Mateus 27:54). Percebi que o que Jesus fez na cruz foi por mim e por todos os outros”, relata Veryl sobre sua conversão.

Ela diz que essa pregação a fez pensar: “Fui para casa e aceitei Jesus como meu Salvador.

Veryl se formou como enfermeira e, logo em seguida, conta que sentiu o Senhor a chamando para trabalhar entre os índios do Território do Norte. “Havia muita necessidade ali e eles estavam pedindo enfermeiras em Yuendumu. É uma pequena comunidade indígena 290 quilômetros a noroeste de Alice Springs”, conta.

Isso foi em 1956. Veryl trabalhou em Yuendumu por quase dois anos. “Foi muito desafiador. Houve uma epidemia de sarampo no primeiro ano. Estávamos trabalhando em um galpão de lata - era o hospital. Mas o Senhor nos ajudou e não perdemos nenhum dos bebês”, lembra.

Foi nessa ocasião que ela conheceu o homem que seria seu marido. Seu nome era Doug e como encanador chegou para ajudar a construir o novo hospital. “Nós nos casamos no final de 1958 e então nos mudamos de volta para a cidade, para Alice Springs onde começaram a cuidar de crianças carentes.

O chamado com crianças

Estamos cuidando de crianças carentes, aqui em Alice, há 60 anos.

“No início, havia um garotinho, Eddie. Cuidamos dele enquanto seu pai trabalhava... e havia Bobbie. Ele tinha problemas cardíacos, então veio morar conosco”, conta Veryl.

Antes de ter seus próprios filhos, o casal estava cuidando de três irmãzinhas - Jean, Marjorie e Dorothy. “Então tivemos Lyle e Kerrie, nossos próprios filhos, nascidos com 15 meses de diferença”, diz.

Pouco tempo depois, pegaram uma menina que sofria de poliomielite. “Ela não conseguia andar, então nós a crescemos. Em seguida, tivemos nossos dois filhos mais novos, Peter e Grant, mas continuamos tendo filhos, intermitentemente, por 60 anos”, conta sobre sua atividade ministerial com crianças ao lado do marido.

“Eu tenho 91 agora e estou esquecendo coisas! Muitas das crianças lutaram como adultos, mas sempre fizemos parte de suas vidas e nos pediram para ajudar a criar seus filhos e até mesmo seus netos”, diz Veryl, que voltou a trabalhar no hospital em Alice. “Havia muitos bebês lá que precisavam de proteção por curtos períodos ... Não consigo lembrar todos os nomes, mas foram mais de 60 filhos no total”.

“Uma das meninas nasceu com um problema de pulmão. Ela quase morreu de hemorragia e precisava de muita ajuda, então a internamos. Ela precisava ser alimentada por um tubo em seu estômago até os 9 ou 10 anos de idade. Ela agora está crescida e tem seu próprio filho. Frequentemente, eles vêm e ficam conosco”, testemunha.

“O último menino que ficamos conosco por três anos. Isso foi há dois anos, quando eu tinha 89 anos. Ele era um dos netos de Dorothy. Ele morou conosco por três anos e eu nunca conseguia um tempo parada”, conta. Veryl diz que às vezes era difícil e que ficava muito ocupada, especialmente durante o dia. “Eu não tinha muito tempo, então lia minha Bíblia no meio da noite. Quando eu tinha meu tempo de silêncio”.

“Durante todo o percurso da minha vida, Deus esteve no controle. Ele me guiou em todas as coisas. Ele dirigiu meus caminhos todos os dias”, diz.

O marido de Veryl, Doug está com 92 agora e ambos estão bem. “É incrível que, à medida que continuo a estudar a palavra de Deus, as canções das Escrituras da minha juventude vêm claramente à mente”, alegra-se.

veja também