Igreja Adventista e ADRA lançam campanha para deter violência contra mulheres

Igreja Adventista e ADRA lançam campanha para deter violência contra mulheres

Atualizado: Sábado, 24 Outubro de 2009 as 12

A Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA) e os Ministérios da Mulher da Igreja Adventista do Sétimo Dia uniram-se para deter a violência contra a mulher ontem, durante o lançamento de uma nova campanha de conscientização. Intitulada EndItNow [cuja tradução ao português seria algo como "dê um fim nisso agora"] apela aos adventistas por todo o mundo para atuarem em suas comunidades a fim de deter a violência contra as mulheres e garotas, disseram os organizadores.

A campanha EndItNow promove uma iniciativa de coleta de assinaturas, visando a obter 1 milhão de assinaturas representando cada um dos 200 países com presença adventista, explicaram os seus promotores. As assinaturas serão apresentadas à Organização das Nações Unidas ao final da campanha.

"Trata-se de uma crise global, e como Igreja precisamos estar envolvidos e conscientes", disse Heather-Dawn Small, diretora dos Ministérios da Mulher.

Uma em cada três mulheres por todo o mundo é vítima de repressão física ou psicológica, enquanto aproximadamente 135 milhões de garotas têm enfrentado a mutilação genital, informaram dirigentes da ADRA durante a apresentação do EndItNow. O presidente da ADRA, Charles Sandefur, declarou que a violência contra as mulheres pode ser uma ameaça silenciosa e sutil que impacta centenas de milhões de vidas.

"[EndItNow] nos concede uma voz comum e apela ao resto da Igreja para acompanhar", disse Sandefur.

A ADRA e os Ministérios da Mulher apresentaram sua iniciativa conjunta aos delegados da Igreja durante as reuniões do Concílio Anual de 2009.

Os coordenadores solicitaram aos delegados que assinassem a bandeira do EndItNow dando início à coleta de assinaturas. O presidente mundial da Igreja Adventista, Jan Paulsen, foi o primeiro a assinar dizendo que a campanha representava uma declaração "forte, poderosa".

"Espero e oro, e farei a minha parte para que isto cause um impacto, e que a posição que assumimos como um povo, atribuindo o mais elevado valor às mulheres, se torne amplamente conhecida e apoiada através de fronteiras religiosas, culturais e nacionais", acrescentou Paulsen.

Jim Cress, secretário da Associação Ministerial da denominação, expressou seu forte apoio à campanha. "Ministérios por toda parte se unirão nisso em afirmar a dignidade das jovens, mulheres ou de qualquer um que esteja sofrendo violência", disse ele.

O departamento de Ministérios da Mulher promove o Dia de Ênfase à Prevenção do Abuso, realizada anualmente no quarto sábado de agosto. O departamento também fornece bolsas de estudo para jovens por todo o mundo que doutro modo não poderiam obter educação superior, comentou Small.

A ADRA, a organização humanitária da Igreja Adventista, financia os programas beneficiando mulheres e garotas, incluindo prevenção à mutilação genital, iniciativas de prevenção ao tráfico humano, e programas de alfabetização para mulheres.

Lorna Grace Okotto, uma delegada leiga que participa do Concílio Outonal, procedente do Quênia, disse que julgava a campanha um importante passo na direção certa. "Pode ser surpresa para algumas pessoas, mas a violência contra mulheres ocorre dentro da própria Igreja de Deus, às vezes até por anciãos, outras vezes por pastores", declarou Okotto. "Muito obrigada, minhas irmãs e à ADRA por tomarem esta iniciativa".

Para maiores informações visite enditnow.org.

veja também