Igreja Adventista organiza turismo social de curta duração na Amazônia

Igreja Adventista organiza turismo social de curta duração na Amazônia

Atualizado: Quinta-feira, 7 Julho de 2011 as 2:53

O trabalho humanitário da Igreja Adventista na Amazônia é internacionalmente reconhecido. Mas o respeito das populações ribeirinhas, das autoridades nacionais e dos colaboradores de outros países não foi conquistado da noite para o dia, é fruto de 80 anos de serviço. Boa parte dessa herança missionária se deve ao casal norte-americano Leo e Jessie Halliwell, que trabalharam com as lanchas assistenciais por 27 anos.

Ao longo de oito décadas, milhares de missionários de tempo integral e parcial já singraram os rios amazônicos doando muito de si e recebendo muito também. E para aproveitar o espírito festivo dessa data e fazer com o senso de missão se perpetue nas próximas gerações, a ADRA Brasil regional Amazonas e o Ministério Jovem da União Noroeste Brasileira estão organizando duas expedições humanitárias a bordo das lanchas, em julho: Missão Calebe e Aventura Solidária.

A Revista Conexão JA conversou com Landerson Santana, diretor da ADRA na região e idealizador do projeto Aventura Solidária.

Ele falou sobre a proposta da mobilização e como você pode participar.

Qual é a proposta do projeto Aventura Solidária e no que ele difere das demais iniciativas assistenciais realizadas na Amazônia?

A proposta é fazer uma viagem diferente, que cause impacto na vida das pessoas. No livro O Desejado de Todas as Nações, Ellen White escreveu que ao Jesus passar pelas cidades e aldeias, Ele “era como uma corrente vital, difundindo vida e alegria por onde quer que fosse” (p. 350). Ele não fazia apenas assistencialismo, mas ações que causavam mudanças duradouras. A proposta é fazer uma viagem que seja inesquecível para o voluntário e para as comunidades beneficiadas. O projeto Aventura Solidária se difere do projeto Luzeiro Amazônia, porque é pontual, localizado e acontece num período curto. No entanto, as duas iniciativas estão conectadas e são complementares, porque atendem as mesmas comunidades. Os voluntários que se inscreverem vão se juntar a nossa equipe formada por um dentista e dois enfermeiros de tempo integral e um dentista de tempo parcial. Esse grupo trabalha com a lancha Luzeiro 26 e duas voadeiras (a Jessie Halliwell, com motor 90hp; e a Expresso Luzeiro, com motor 250hp, para 15 pessoas). Além disso, temos parceria com o projeto Salva-Vidas Amazônia, que tem três barcos grandes.

Como nasceu a ideia?

Em 2009, dez universitários canadenses da Canadian University College (http://www.cauc.ca ) construíram, com apoio da ADRA Canadá, 70 cisternas de placa com capacidade de armazenamento de 16 mil litros de água da chuva, no sertão do Piauí e da Bahia. Foi fantástico ver aquelas famílias que não tinham acesso a água, passar até dez meses com estoque de água. Em 2010, tivemos outra mobilização. Em Teresina, plantamos 1.500 árvores às margens do Rio Poty e construímos cinco banheiros num bairro pobre da cidade. Doamos também 5 mil reais para a construção de uma sede do projeto social Pescadores de Homens, em Parnaíba, PI, que trabalha recuperando da dependência química os pescadores da comunidade. Além disso, fizemos a coleta do lixo acumulado há anos nos Lençóis Maranhenses e compramos um projetor de vídeo para uma igreja na cidade de Paulino Neves, MA. Essas duas experiências marcantes serviram de base para o projeto Aventura Solidária da Amazônia.

Quais serviços serão prestados e em quais comunidades?

Pelo menos quatro: (1) atendimento médico e orientação sobre saúde preventiva; (2) reforma e ampliação de uma escola e construção da biblioteca da comunidade São Francisco do Camarão, em Coari; (3) construção de um posto de saúde na comunidade Colônia Paraíso, em Coari; (4) construção de uma embarcação (voadeira) para atender as comunidades do Rio Manacapuru.

Qual é o impacto que um projeto desse pode ter na vida dos participantes?

Pode impactar para o resto da vida. Amor ao próximo e espírito missionário e aventureiro podem ser contagiosos. Esse projeto pode levar os participantes a repensar sua vida e a se voltar mais para o próximo, seguindo assim os passos de Jesus. Além disso, os que participam desse tipo de turismo social, podem se tornar financiadores ou divulgadores dos nossos projetos ou até mesmo podem voltar à Amazônia para participar de projetos de duração maior.

Em quais outros projetos sociais na Amazônia os internautas podem se voluntariar?

Aqui na Amazônia temos viagens e trabalhos o ano todo. Trabalhando em parceira com o projeto Salva-Vidas Amazônia, operamos cinco bases de atendimento: Manaus, Novo Airão, Manacapuru, Coari e Barreirinha. Podemos e precisamos receber voluntários de várias áreas: saúde, manutenção de barcos, piloto de barcos, apoio e tudo mais.

Aventura Solidária Amazônia

Data: 24 a 31 de julho de 2011

Limite para inscrição: 15 de julho

Participantes: 300 pessoas

Acomodação: pernoite em barco, dormindo em colchonetes ou redes

Perfil: podem participar pessoas de qualquer credo ou formação profissional

Vacina: é recomendável tomar contra a febre amarela

Custo: inscrição (150 reais) + alimentação e logística (360 reais) + viagem até Manaus

Contatos: Elena – (92) 3878-4814 - [email protected]

Landerson Santana - (92) 8100-6800 - www.twitter.com/adraamazonas  

veja também