Igreja Batista da Graça demitiu o líder após defender homossexual constrangido

Após defender homossexual, pastor é demitido

Atualizado: Quarta-feira, 11 Janeiro de 2012 as 9:12

O pastor Sérgio Emílio Meira Santos, da Igreja Batista da Graça em Vitória da Conquista (BA) foi demitido da função de líder religioso de sua congregação após defender um jovem homossexual que estaria sofrendo constrangimentos em virtude de sua orientação sexual.

O pastor compareceu à delegacia para prestar queixa contra o que considera uma prática homofóbica ocorrida dentro de sua congregação. Segundo o religioso, um adolescente de 16 anos que é membro da igreja estaria sendo alvo de hostilidade de membros da igreja.


Santos relatou à delegada Carla Rodrigues que membros do Conselho Deliberativo da Igreja, citando a ex-vereadora e vice-presidente do Conselho, Helita Figueira, teriam manifestado publicamente durante um culto da igreja sua insatisfação quanto à frequência do jovem homossexual na congregação.


O pastor relatou em sua denúncia que a presença do jovem homossexual motivou uma reunião do conselho. Na ocasião, o líder religioso defendeu que, com base nas Escrituras Sagradas, não poderia, “em hipótese nenhuma”, negar a frequência do adolescente aos cultos, inclusive na condição de músico.


Após a reunião, Santos recebeu em casa uma carta assinada pelos membros do conselho informando sobre sua demissão sumária do cargo. A alegação era de que o líder não estaria cumprindo de forma eficaz suas atribuições com pastor.


Santos, no entanto, acredita que os argumentos foram apenas a tentativa de formar uma “nuvem de fumaça” para encobrir os reais motivos da demissão.

veja também