Igreja Batista de Curitiba lança revista dedicada ao Dia da Mulher

Igreja Batista de Curitiba lança revista dedicada ao Dia da Mulher

Atualizado: Quarta-feira, 9 Março de 2011 as 3:47

Testemunho de uma mulher acolhida na revista dedicada ao dia Internacional das Mulheres da Primeira Igreja Batista de Curitiba (PIB Curitiba), fala que em seu momento de desespero encontrou amparo no encontro de mulheres da Igreja.

Testemunho de uma mulher acolhida publicada na Revista dedicada ao Dia Internacional da Mulher, fala que em seu momento de desespero encontrou amparo no encontro de mulheres da Igreja, 08 de março de 2011.

A revista que será publicada pelo Ministério de Mulheres neste sábado, 12 de março, apresenta diversas seções para as mulheres cristãs e não cristãs, sobre vida, cuidados às mulheres, saúde emocional, encontros promovidos pela Igreja e testemunhos.

“Tudo começou com uma alma em pedaços econtrando uma alma disposta a ajuda e juntar pedaços,” deu o seu testemunho Débora, autora do testemunho do ‘Espaço Mulher’ da edição espcial da revista.

Em seu testemunho, Débora comentou que ela chegou ao Ministério de Mulheres, mesmo sem saber como começar a falar ou pedir ajuda.

“Quando procurei alguém, eu não sabia o que falar e nem mesmo o que esperar, só sei que precisava de ajuda. Minha vida estava em pedaços, estava em crise, e sentia uma dor emocional muito forte,” disse ela.

A dor de Débora, era algo que a fazia se isolar das pessoas e, segundo ela, trancar-se em seu quarto, por vezes sentindo que “queria morrer e acabar com tudo aquilo.”

Mas ao frequentar os encontros de mulheres do Ministério de Mulheres da Igreja, ela disse que encontrou lá mulheres machucadas e outras restauradas, e que assim como ela buscavam uma “companheira de caminhada na estrada da vida.”

Em muitos momentos, ela quis desistir e abrindo o seu coração, ela revelou que era como abrir a guarda e estar “vulnerável,” deixando que outra pessoa visse quem ela era por dentro.

“Se abrir é pagar um preço, é estar vulnerável, é deixar que outra pessoa a veja sem máscaras, é permitir que outra pessoa veja o que há de melhor, mas também de pior em você.”

Entretanto, ela se lembra de como foi recebida pelo Ministério de Mulheres e que isso foi para ela um “Universo de Amor.”

“Eu sabia que sempre que eu entrasse naquela sala para conversar seria ouvida com amor.”

Hoje, Débora superou suas dores, e disse que “A dor que antes me dominava, hoje perdeu lugar para a vontade de lutar e viver. Os cortes antes comuns, hoje não passam de marcas.”

“Aprendi que se eu tenho marcas, Jesus tem marcas muito maiores e mais profundas por ter morrido na cruz por mim, marcas de Amor.”

Débora confessou que ainda tem muito que caminhar, mas que pode “contar com Deus, e com as mulheres que Ele capacita.”

No Espaço Mulher, as mulheres procuram aprender sobre elas mesmas, aperfeiçoar o caráter cristão e crescer no conhecimento da palavra de Deus.

A comemoração do Dia das Mulhres será realizado neste Sábado às 4h da tarde, com o lançamento e distribuição da revista.   Christian Post

veja também