Igreja Católica apresentou um projeto milionário que pretende usar a internet no combate à pedofilia

Igreja Católica vai usar internet contra a pedofilia

Atualizado: Quarta-feira, 15 Fevereiro de 2012 as 8:58

A Igreja Católica apresentou durante uma conferência realizada em Roma, Itália, nesta quinta-feira, 9, um projeto milionário que pretende usar a internet no combate à pedofilia.

O projeto se trata de um ensino digital através de uma página na internet, com aconselhamento em várias línguas e acesso a pesquisas sobre pedofilia e como reagir a ela.
Haverá também o "Centro para a Proteção Infantil", site criado com a colaboração de universidades e instituições médicas em alemão, inglês, francês, espanhol e italiano.
 O objetivo é ajudar clérigos a erradicarem a pedofilia de suas igrejas em todo mundo e a protegerem os menores de potenciais abusos.
Durante a conferência, o padre François-Xavier Dumortier informou que o projeto teve um custo de 1,2 milhão de euros (1,6 milhão de dólares).
"Isso vai ajudar a desenvolver uma cultura de escutar (...), um rosto diferente da cultura do silêncio", disse Dumortier, reitor da Pontifícia Universidade Gregoriana.

"A Igreja agora tem uma base a partir da qual começar", disse Brendan Geary, da ordem dos Irmãos Maristas. "Começamos ouvindo as vítimas e escutando suas experiências. Asseguramos que a Igreja tenha os mais elevados padrões para a proteção das crianças."
No entanto, uma associação de vítimas de abusos acusou o evento de ser apenas uma vitrine e que o Vaticano deveria entregar ao Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia, toda a documentação que possuir sobre os abusos, segundo informou a Reuters.
A associação reforçou a acusação que membros do alto clero da igreja acobertam crimes de pedofilia, a fim de proteger a imagem da igreja.
Além de piorar a reputação católica, os escândalos de abusos de menores por parte de padres e bispos são acompanhados de processos judiciais, dando custo à entidade, além de provocar êxodo de fieis, o que diminui a arrecadação.

veja também