Igreja no Brasil não 'tem ideia' do que fazer com abusos sexuais

Casos de pedofilia custaram US$ 2 bilhões à Igreja Católica

Atualizado: Quinta-feira, 9 Fevereiro de 2012 as 10:13

Os casos de abusos sexuais a menores já custaram à Igreja Católica em nível internacional mais de US$ 2 bilhões, informaram nesta quarta-feira os americanos Michael Bemi e Patricia Neal no simpósio organizado pelo Vaticano para discutir os escândalos de clérigos pedófilos. Michael Bemi, do National Catholic Risk Retention Group, de Vermont, e Patricia Neal, diretora do programa de proteção de crianças VIRTUS, disseram no terceiro dia do evento, realizado na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, que esses casos tiveram "profundas consequências negativas" para a Igreja Católica. Os dois especialistas detalharam que não é possível avaliar os danos causados nas vítimas, cujas vidas mudaram para sempre, e por isso analisaram apenas os prejuízos causados à Igreja por estes escândalos.

Esses US$ 2 bilhões foram pagos nos acordos estabelecidos durante os processos das vítimas contra as dioceses, em julgamentos, assessorias legais, tratamentos para as vítimas e acompanhamento dos agressores, entre outros gastos. Sobre as pessoas que sofreram abusos, Bemi e Neal destacaram que ainda não existe um estudo em nível mundial, mas que, só nos Estados Unidos, a estimativa é que 100 mil pessoas foram vítimas desses abusos. Esse número deve ser somado às centenas de casos denunciados na Irlanda, Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Canadá, Chile, Índia, Holanda, Filipinas e Suíça, entre outros países

No Brasil

Líderes católicos não "têm ideia" do que fazer em relação aos abusos sexuais cometidos por sacerdotes no Brasil, onde a pedofilia é "mais tolerada culturalmente" do que em outros países ocidentais, informou um especialista brasileiro nesta quarta-feira.


"Não há ideia do que poderia ou deveria ser feito", afirmou o padre Edênio Valle, um psicólogo conselheiro da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e que fornece orientação a padres, em um encontro no Vaticano sobre o tema.


"Medidas e procedimentos efetivos por parte da Igreja no curto, médio e longo prazo, até onde eu sei, não estão sendo planejados", disse.

Valle afirmou que há boa vontade na Igreja brasileira - em parte devido à insistência do Vaticano - para encontrar "respostas urgentes e competentes", mas isso se tornou mais difícil pela tolerância cultural pela pedofilia.

 

Com informações do Terra e AFP

veja também