A igreja que espera

A igreja que espera

Atualizado: Segunda-feira, 11 Novembro de 2013 as 2:02

aliança - igrejaAquele que dá testemunho destas coisas diz: “Sim, venho em breve!” Amém. Vem, Senhor Jesus! [Apocalipse 22.20]
 
É a mesma imagem vívida do noivado e do casamento que João usa no final do Apocalipse. Ele já fez alusão ao casamento próximo. Afirma que ouviu a multidão de remidos cantando aleluia porque “chegou a hora do casamento do Cordeiro e a sua noiva já se aprontou” (19.7). Aliás, “foi-lhe dado linho fino, brilhante e puro” para vestir (19.8). O anjo intérprete diz a João: “Felizes os convidados para o banquete do casamento do Cordeiro” (19.9). Além disso, João descreve a Nova Jerusalém “que descia dos céus, da parte de Deus, preparada como uma noiva adornada para o seu marido” (21.2; veja v. 9).
 
Mas onde ele está? Em lugar algum onde possa ser visto! A noiva não deve apanhar o noivo; é o noivo quem deve ir ao seu encontro. Ela está pronta. Está vestida e usando suas joias. Agora não pode fazer outra coisa senão esperar que ele venha — exceto tomar a liberdade de expressar seu anseio por ele: “O Espírito e a noiva dizem: ‘Vem!’” (22.17). O supremo ministério do Espírito Santo é dar testemunho de Cristo e o supremo desejo da noiva é dar as boas-vindas ao noivo.
 
É assim que o livro do Apocalipse termina. Ele deixa a igreja aguardando, esperançosa, crendo e desejando — a noiva procurando avidamente pelo noivo, clamando por ele. Ela apega-se à tripla promessa de que ele está chegando em breve e é encorajada por outros que ecoam o seu chamado: “Amém. Vem, Senhor Jesus!”.
 
Enquanto isso, ela se mantém confiante de que a sua graça lhe será suficiente (v. 21) até que a eterna festa de casamento comece e ela esteja unida ao seu noivo para sempre.
 
Para saber mais: Apocalipse 22.14-21
 
 
- John Stott
>> Retirado de A Bíblia Toda, o Ano Todo
 

veja também