Igreja Universal leva solidariedade à Região Serrana do RJ

Igreja Universal leva solidariedade à Região Serrana do RJ

Atualizado: Sexta-feira, 11 Fevereiro de 2011 as 10:56

O mês de janeiro foi marcado pela maior tragédia climática da história do País. Na região serrana do Rio de Janeiro, o número de mortos pelas enchentes e deslizamentos de terra chegou a 880, conforme boletim divulgado pela Polícia Civil. Um balanço feito pela Defesa Civil Estadual informa que 8.777 pessoas estão desabrigadas e ocupam abrigos públicos, outras 20.790 precisaram abandonar as residências e estão em casas de parentes e amigos. Neste sábado (05), voluntárias da Associação de Mulheres Cristãs (AMC) estiveram em Teresópolis entregando donativos aos desabrigados.

As voluntárias fizeram questão de ir pessoalmente até às pessoas, com o objetivo de levar não somente apoio físico, mas também espiritual. “Decidimos sair de São Paulo e vir aqui para darmos também uma palavra de conforto e fé. Sabemos que esse momento é difícil e viemos para mostrar a essas pessoas que elas não estão sozinhas”, disse Rosana Oliveira, presidente da AMC.

O lavrador Edimar Gregório da Rosa, 44 anos, abrigado em um galpão cedido por uma empresa de bebidas apoia a iniciativa da AMC. Ele perdeu a esposa, um filho e uma neta na tragédia. Além dos familiares, a casa, o carro, uma moto e a própria lavoura de onde tirava o sustento da família foram totalmente destruídos com os deslizamentos de terra. “Todas as doações que chegam são  importantes, porque sem elas a nossa situação seria ainda mais difícil”, diz.

Para as voluntárias da Associação, o ato de estar presente ao doar os itens é fundamental, uma vez que elas podem levar um pouco de conforto aos que necessitam . “Aprendemos a ser solidárias na AMC e, com isso, não conseguimos dormir sabendo que há alguém precisando de ajuda. Viemos para olhar nos olhos dessas pessoas e ajudá-las a ter esperança”, afirma Marilene Cardozo, voluntária há quatro anos.

Para a presidente da AMC, a solidariedade das pessoas tem ajudado as vítimas na região serrana. “Até mesmo aqueles que não têm tantas condições financeiras estão se dispondo a ajudar. Precisamos estender a mão para quem precisa e não importa a quantidade”, finaliza.

veja também