Igrejas evangélicas prestam solidariedade à viúva de Kirchner

Igrejas evangélicas prestam solidariedade à viúva de Kirchner

Atualizado: Sexta-feira, 29 Outubro de 2010 as 9:37

O ex-presidente, líder do Partido Justicialista, deputado estadual e presidente da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), Nestor Kirchner, morreu ontem, aos 60 anos, de parada cardíaca, quando se encontrava na residência de El Calafate, junto com a mulher, a presidente da República Cristina Fernández. A morte dele, principal figura política da década, surpreendeu a nação e o mundo.

A Federação Argentina de Igrejas Evangélicas (FAIE) enviou carta à presidente Cristina, expressando dor. Dirigentes evangélicos destacaram o caráter democrático de Nestor "que governou o país num período difícil da nossa história, e o fez sem recorrer ao estado de sítio, sem repressão nem mortes, garantindo a liberdade de expressão e tentando melhores as condições de vida para os mais humildes".

Os evangélicos valorizam "a plena vigência em matéria de direitos humanos que se estabeleceu durante seu governo, a liberdade que gozamos em expressar nossas convicções, mesmo dissonantes, e o aporte significativo à pacificação e vigência democrática no plano continental que ele procurou estabelecer como secretário da Unasul".

A Igreja Evangélica Metodista Argentina emitiu uma carta onde também se solidariza e manifesta condolências à família presidencial, ressaltando os valores sociais e democráticos do falecido.

A Igreja Católica, uma das adversárias mais fortes de Kirchner, encarnada na figura do cardeal Jorge Bergoglio, realizou homilia na Catedral de Buenos Aires. O cardeal pediu em oração pelo “eterno descanso” de Nestor Kirchner e pediu que Deus conceda à presidente um acertado exercício de seu mandato.

A Aliança Cristã de Igrejas Evangélicas da Argentina, que também se confrontou com a presidenta por causa de projetos como o do casamento entre pessoas do mesmo sexo, manifestou pesar, rogando inteireza e união do povo.

O grande rabino da Argentina, Shlomó Bem Hamú, manifestou-se emocionado pela "dolorosa notícia" e expressou "profundo e sincero pesar”, pedindo a Deus que Ele dê forças à primeira mandatária.

O Centro Islâmico da Argentina lamentou "a irreparável perda de quem foi o presidente dos argentinos durante o período 2003-2007 e o estadista que soube fazer de nossa querida pátria uma nação mais justa próspera e igualitária".

veja também