A importância dos exercícios espirituais

A importância dos exercícios espirituais

Atualizado: Segunda-feira, 12 Agosto de 2013 as 2:41

oraçãoUm aprendiz perguntou ao seu mestre a razão de alguns rituais que devia cumprir para seu crescimento pessoal. O mestre respondeu com um desafio: ordenou-lhe que levasse um cesto de vime até o rio, enchesse com água e voltasse até onde ele estaria esperando. O discípulo obedeceu à ordem inicialmente sem reclamar, mas depois de algumas tentativas frustradas de carregar água em um cesto de vime até o lugar determinado, questionou que o cesto tinha furos e impedia que a água fosse armazenada. Então seu mestre disse que a intenção não era levar a água, mas limpar o cesto.
 
Creio que esta história explica bem a importância que tem os rituais em nossa vida. Sejam bons ou ruins. Por ritual entenda todo hábito adquirido, aquilo que fazemos sistemática e freqüentemente. Quem já lê e ouve o que produzo sabe que não sou um homem de cerimônias ou rituais religiosos, já percebeu que minha ênfase é oferecer um caminho alternativo de espiritualidade a tudo o que de religioso foi construído de modo legalista. Ao mesmo tempo eu creio na necessidade de cuidarmos de nossos hábitos. É por isso que leio a Bíblia, é por isso que me reúno como igreja, é por isso que oro, é por isso que desenvolvo práticas devocionais inspirativas.
 
Creio que meus exercícios espirituais, que você pode chamar de rituais, servem como a água que limpa o cesto, pois passa por mim atuando como refinador e não vejo qualquer utilidade ou necessidade de que minhas práticas sejam armazenadas como água transportada, por isso, mesmo quando não vejo resultados objetivos e imediatos no que estou praticando, tenho consciência de que o simples exercício cumpre sua finalidade de modo processual, às vezes lento. No final das contas a questão da liberdade da religião não passa por abdicarmos das práticas espirituais e sim de tomarmos consciência de que qualquer prática em nossa vida, que seja habitual, torna-se nosso ritual e será ela a responsável pelo tipo de fluido que passa por nós. Se corrosivo, há de destruir, se sujo, há de poluir, mas se límpido, há de limpar, trazendo saúde.
 
 
- Alexandre Robles
 

veja também