IURD comemora encerramento da campanha "Arma, nem de brinquedo"

IURD comemora encerramento da campanha "Arma, nem de brinquedo"

Atualizado: Terça-feira, 21 Junho de 2011 as 2:37

Com muita música, mágicas, palhaço e brincadeiras. Foi assim o encerramento da campanha “Arma, Nem de Brinquedo”, que aconteceu recentemente na quadra de esportes do SESC (Serviço Social do Comércio), no bairro de Santo Amaro, em Recife.

A campanha contou com a iniciativa da Secretaria de Defesa Social (SDS) e teve parceria com o grupo “A Gente da Comunidade” de Pernambuco. O evento reuniu mais de 1.400 crianças de escolas públicas, que tiveram a oportunidade de trocar brinquedos que induzem à violência por bolas, bonecas, carros e jogos educativos. No evento, estiveram presentes autoridades, como o secretário de Defesa Social do Estado, Wilson Damásio, e celebridades do futebol local, como os auxiliares técnicos Kuki e Zé do Carmo.

Para o secretário, a campanha foi muito positiva e as pessoas que contribuíram para esse sucesso estão de parabéns. “É de fundamental importância esse trabalho preventivo e, no que depender da SDS, estaremos levando essa missão para todo o Estado. É muito bom que os pais dessas crianças se sintam motivados e também se engajem na Campanha Nacional do Desarmamento, fazendo a doação de suas armas de verdade. Agradeço, em especial, ao A Gente da Comunidade, da Igreja Universal, que tem sido o nosso braço direito nas ações realizadas pela SDS”, comentou.

Além de cultivar a cultura de paz, a campanha também teve o objetivo de conscientizar as crianças no sentido de não quererem brincar com objetos que remetam à violência, como revólveres, espadas, estilingues, entre outros, levando-as a trocá-los por brinquedos que sejam saudáveis para o desenvolvimento infantil.

Pequenos, mas conscientes Emerson Henrique Rocha da Silva, 10 anos, disse que, quando crescer, quer ser jogador de futebol. Com uma pistola de água, que comprou para brincar o carnaval e com a qual hoje brinca de polícia e ladrão, ele disse que iria trocar por uma bola. “Armas, mesmo de brinquedo, nos deixam violentos”, afirmou o sorridente garoto.

Lígia Vitória, também de 10 anos, estava com uma espada e disse que queria trocá-la por uma boneca. “Quando crescer, serei médica. Não devemos ter em nossa casa qualquer brinquedo que lembre violência”, disse.

A festa contou com a apresentação de vários artistas, como a Banda Pressão Sanguínea e o cantor Wellington do Pandeiro, que cantou músicas que discorrem sobre a temática – “Arma, nem de Brinquedo”, por exemplo. Shows de mágica e do palhaço Picocheta – que laçou música de sua autoria com o tema da campanha – foram promovidos por policiais militares.

O responsável pelo trabalho do A Gente da Comunidade de Pernambuco, pastor José da Guia, e os colaboradores, conseguiram arrecadar cerca de 2.300 brinquedos. O evento também contou com o apoio do grupo do Rio de Janeiro, que ajudou na arrecadação.  

veja também