JMM anuncia fim das atividades do colégio Batista em Tocantins

JMM anuncia fim das atividades do colégio Batista em Tocantins

Atualizado: Segunda-feira, 20 Dezembro de 2010 as 4:17

Em 1989 o Estado do Tocantins veio a existir e logo a nova capital , Palmas, se tornou um elemento de referência na região. Para lá foram, naturalmente, os elementos que ajudariam uma cidade nova - que iria nascer e crescer no meio do cerrado - a ser devidamente estruturada. Para lá foram, então,  os pais e a seu tempo venderam suas casas em Tocantínia e construíram novos lares na capital... Com o passar dos tempos, de 1989 a 2000, com raríssimas exceções, as famílias tocantinienses foram se transferindo para Palmas. 

Esse êxodo trouxe como conseqüência lógica o esvaziamento das salas de aula do Colégio Batista de Tocantins (CBT), na época o único educandário particular. Com o advento da capital a pouco mais de 80 quilômetros de distância, as Secretarias de Educação Municipais e Estaduais se sentiram convocadas para melhorar o padrão de ensino público. Daí surgiram os convênios, capacitando a rede pública a apresentar educação mais condizente com as exigências do MEC. Resultado: surgiram escolas gratuitas em prédios de primeiro mundo, e os pais do CBT, embora com mensalidades bem baixas, abandonaram a velha instituição. Desta maneira, um colégio particular de 450 alunos, veio, nos anos 2.000 a decrescer, até chegar a 42 em 2010!

Em virtude desse esvaziamento nas salas do Colégio Batista, entendemos que este projeto, embora tenha abençoado por muito tempo o Estado, não tem mais a mesma relevância visto que o processo educacional da região teve grande crescimento. Contudo, o encerramento das atividades no segmento educacional não representa o fim das bênçãos que um novo projeto trará. O patrimônio continuará existindo, funcionando sob uma nova perspectiva a ser avaliada pela Junta de Missões Nacionais. "Estamos trabalhando para encontrar a melhor solução para viabilizar o empreendimento. O Colégio cumpriu um importante papel, desde sua fundação, em um tempo cujo cenário demandava essa existência. O cenário mudou e observamos, ao longo dos anos, o significativo decréscimo do número de alunos... Face a esse cenário, o Conselho da Convenção Batista Brasileira votou pelo encerramento das atividades a partir do próximo ano", explicou a gerente executiva de Ação Social da JMN, Alice Carolina B. Cirino.

A Junta de Missões Nacionais agradece a todos os que apoiaram o CBT em toda a sua história. A todos nossa gratidão!

  Uma história para recordar O Colégio Batista do Tocantins, desde sua criação teve sua Missão, Visão e Objetivos educacionais voltados à busca de excelência no trato com as crianças e adolescentes brasileiros, especialmente com aqueles que, longe dos grandes centros, precisavam de ajuda para seu desenvolvimento intelectual e espiritual.

Educar a criança e o adolescente com o caráter de Cristo foi a meta prioritária do Colégio Batista do Tocantins, que adotou uma filosofia cristã de ensino, baseada na Palavra de Deus. A história do Colégio Batista do Tocantins começou com a missionária Beatriz Rodrigues da Silva, que em  25 de janeiro de 1936, a bordo do navio Itapé, deixava o Rio de Janeiro, para atender um apelo de gente simples do sertão da pátria.

Chegou em  Tocantínia em 28 de fevereiro e, três dias depois,  em 2 de março de 1936, fundava a Escola Batista da Junta de Missões Nacionais, hoje Colégio Batista do Tocantins e, por muitos anos, foi diretora da Instituição.

Outro nome se destaca na história do Colégio Batista do Tocantins, Margarida Lemos Gonçalves, que por 32 anos dirigiu com sabedoria, firmeza e entusiasmo esta escola. Durante dez anos a professora Tilda Evaristo da Silva também foi diretora do CBT e, em seguida, a professora Juselita Amorim que esteve na  direção da escola por outros  10 anos.

veja também