Joel Engel: "Santa Maria (RS) precisa dar as mãos e orar"

Joel Engel: "Santa Maria (RS) precisa dar as mãos e orar"

Atualizado: Segunda-feira, 27 Janeiro de 2014 as 7

Joel Engel: "Santa Maria (RS) precisa dar as mãos e orar"No próximo dia 27 de janeiro (segunda-feira) completa-se um ano desde a tragédia na boate Kiss, em Santa Maria (RS). O fato chocou não somente o Brasil, mas diversos outros países. Pessoas de outros estados do país se mobilizaram para ajudar as vítimas.
 
Tendo dado sua contribuição naqueles dias, o Ap. Joel Engel ajudou a representar igrejas evangélicas locais, se colocando à disposição das autoridades e das famílias das vítimas para fazer o que fosse possível para ajudar.
 
Em entrevista exclusiva ao Guiame, o líder do Ministério Engel falou sobre a sua reação ao saber da triste notícia naqueles dias, suas impressões sobre o fato e o desenrolar deste acontecimento até os dias atuais.
 
Confira abaixo a entrevista na íntegra: 
 
Portal Guiame: Qual foi a sua reação ao saber da tragédia na boate Kiss?
 
Ap. Joel Engel: Quando ocorreu o incêndio da boate Kiss, algo realmente queimou muito forte em meu coração. Eu raspei a cabeça, fazendo um voto e fui para o monte, separei um tempo para orar, chorar. Acordava de madrugada, chorando e me questionando: “será que eu poderia ter feito algo para evitar aquilo?”; “Por que eu não visitei estes jovens antes?”. Fizemos vigílias de 40 dias (cada) pelas vítimas da boate Kiss, durante todo o ano de 2013. Também relançamos um projeto, pedindo ao governo para custear as despesas destes estudantes. Aquela festa na boate, estava sendo realizada para levantar verba para pagar o baile de formatura de muitos deles. O prédio da universidade onde poderia se realizar aquele evento ainda não estava pronto. Muitos acabaram perdendo suas vidas, lutando esta causa. 
 
Guiame: Houve algum fato ou imagem que te marcou especificamente quando você chegou ao local do incêndio, se prontificando a ajudar as famílias e autoridades?
 
Joel Engel: Algo me aperta o coração até hoje é saber que alguns Heróis – bombeiros e voluntários – que entraram naquela boate para resgatar pessoas e conseguiram salvar 5, 10, 12 jovens, de repente não conseguiram mais sair de lá. Eu fui fazer o velório de um desses heróis. Ele salvou várias pessoas. Porém quando cheguei ao local do ofício fúnebre, havia poucas pessoas ao redor do seu caixão. Perguntei à mãe dele, se algum pastor estava para chegar ao local e ela disse: “Ele frequenta uma igreja, mas o pastor dele não vem”. Então me ofereci para orar pela família daquele herói, que trabalhava como segurança naquela boate e deu a sua vida para salvar alguns daqueles jovens. Isto me lembra Jesus, que disse em João 15: “Ninguém tem maior amor que esse de dar a sua vida pelos seus amigos”. Gostaria que os pais que perderam seus filhos pudessem adotar estes heróis ainda vivos. Que pudessem dizer: “Jesus, cuida do meu filho. Agora ele está contigo, onde não pode sentir tristeza, nem dor. Mas coloca em meu coração um sentido novo para viver”. Não podemos mais ver os filhos que partiram, mas podemos estar com os heróis que arriscaram suas vidas para salvar tantos outros. Eu fico feliz em saber que a nossa cidade tem muitos heróis, não somente tragédia e tristeza.
 
Guiame: Passado um ano do incêndio, ainda há medidas a serem tomadas a respeito. O caso ainda está em processo de julgamento. Quais são suas expectativas em relação ao desenrolar desta história?
 
Joel Engel: Um ano depois desta tragédia, minha expectativa é que haja mais solidariedade. Aqueles que foram pêgos de surpresa e não tiveram tempo de mostrar sua solidariedade podem faze-lo agora. Eu espero que haja justiça, porque eu vejo hoje, que cada um dos que deveriam assumir a culpa ou até mesmo agir em prevenção dessa fatalidade – autoridades civis, militares, governamentais – está se omitindo. O processo da Kiss é uma verdadeira vergonha. Até agora, os nossos parlamentares ainda não entraram com propostas para prevenir este tipo de acontecimento. Outros assuntos passaram à frente deste entre os projetos de lei. 
 
Guiame: De que forma a igreja pode contribuir para um destino melhor a esta história?
 
Joel Engel: Eu creio que hoje, Santa Maria (RS) precisa dar as mãos e orar, clamando a Jesus, o autor da vida e o único que pode salvar esta cidade da tristeza, da desilusão e enxugar as lágrimas, trazendo paz a este povo, a estes pais que choram. Eu quero convidar a todos que estão lendo esta entrevista a clamar, dizendo: “Vem, Jesus!”. Quando Cristo entrava nas casas, ressuscitava mortos, curava feridos. Não tenho dúvida de que Ele chorou ao ver mais de 200 jovens, morrendo daquela forma. Creio que Ele virá, transformando lágrimas em alegria, fazendo renascer das cinzas, a esperança e especialmente, a compaixão nos corações. 
 
Por João Neto - www.guiame.com.br
 
Imagem: João Neto

veja também