John Piper: “A Palavra de Deus e o louvor são armas para lutar contra satanás”

John Piper afirmou que há poder vindo do céu quando os servos de Deus louvam.

fonte: Guiame, com informações do Voltemos ao Evangelho

Atualizado: Sexta-feira, 27 Julho de 2018 as 4:50

John Piper salientou a importância do louvor para o cristão. (Foto: Reprodução).
John Piper salientou a importância do louvor para o cristão. (Foto: Reprodução).

O pastor John Piper falou sobre a importância do louvor na vida do cristão. Em uma mensagem publicada pelo canal “Voltemos Ao Evangelho”, o líder salienta que há duas grandes armas que o crente em Jesus tem para usar contra o diabo, a Palavra de Deus e a adoração. Ele exemplifica sua fala com a história de Jeosafá.

Piper explica que Jeosafá pretendia vencer Moabe com um coral. “Deus tinha dito: ‘A peleja é minha’ e Jeosafá respondeu: ‘Bem, então vamos colocar o coral na frente’”. O pastor se baseia no livro bíblico de II Crônicas. No versículo 21 temos:

“E aconselhou-se com o povo, e ordenou cantores para o Senhor, que louvassem à Majestade santa, saindo diante dos armados, e dizendo: Louvai ao Senhor porque a sua benignidade dura para sempre”.

John Piper explica que em outras palavras, foi dito: "Dê o grito de vitória antes da batalha começar porque é o que Deus prometeu". Ele continua: “Eu acho que o escritor desse livro quer nos ensinar que, embora a vitória pertença a Deus, o canto do coral é a ocasião para a vitória. O canto não é somente uma resposta à graça. O canto também é um meio de graça”, disse ele.

“O canto é poder. Quando você canta, há algo que o Espírito Santo vem fazer. Quando Jeosafá cantou com o coral, Moabe, Amom e Seir mataram uns aos outros”, disse o pastor. Ele também usou o exemplo de Paulo e Silas para esclarecer sua fala. “Quando Paulo e Silas cantaram, é dito que Deus sacudiu a prisão. Certamente, a lição é que há poder quando o povo de Deus canta”.

O caso de Jim Elliot

Ainda dentro desse contexto, Piper lembra do caso de Jim Elliot. “No dia 8 de janeiro de 1956, Jim Elliot, Nate Saint e três outros estavam junto ao rio esperando os aucas - os índios para quem eles pretendiam ministrar. A última notícia que a sede recebeu deles, segundo Elisabeth Elliot em seu livro, ‘À Sombra do Onipotente’, foi que eles cantaram um hino antes de atravessar”.

A canção dizia: “Iremos com fé, embora sejamos fracos. Todos os dias precisamos conhecer mais a tua graça, porém, em nossos corações, ressoa um canto de triunfo. Descansamos em ti e no teu nome iremos".

Piper explica que todos foram mortos antes das 4:30 da tarde e Deus os protegeu. “Ele os protegeu da incredulidade, da covardia, do medo, do comodismo de ir embora, comprar uma casa em um bairro de classe média e dizer: ‘Outras pessoas podem evangelizar os aucas’. Houve vitória naquela tarde”, ressalta o pastor.

“Essa vitória tem reverberado nos últimos 30 anos e continuará por toda a eternidade. Temos duas armas para lutar contra satanás no culto: a Palavra de Deus e o canto. Rogo-te que te apegues à Palavra e que cantes de todo coração”, finaliza.

veja também