Jovem foi morta pelo namorado em 2008

Cristã, mãe de Eloá Pimentel ora por justiça

Atualizado: Terça-feira, 14 Fevereiro de 2012 as 8:32

O segundo dia do julgamento do caso Eloá Pimentel está programado para começar às 9h desta terça-feira, dia 14 no fórum de Santo André. A sessão será iniciada com o depoimento de Ronickson Pimentel, irmão mais velho de Eloá, a última testemunha arrolada pelo Ministério Público a ser ouvida no júri popular. Nesta segunda-feira, dia 13, três testemunhas de acusação foram ouvidas. Lindemberg é acusado da morte de sua ex-namorada, Eloá Cristina Pimentel, ocorrida em outubro de 2008.

Ana Cristina Pimentel, mãe de Eloá Pimentel, de 15 anos, chegou ontem muito emocionada ao fórum de Santo André. Antes de iniciar o julgamento, a mãe da jovem, Ana Cristina Pimentel, disse que orou para que Deus fizesse justiça. Na época a mãe que era da Igreja Congregação Cristã disse que perdoava o jovem. “Nunca pensei que ele fosse capaz disso. Ele era, sim, agressivo e possessivo, mas não chegar a esse ponto. Eu consigo perdoar o Lindemberg. Consigo perdoá-lo de todo meu coração, mas que a Justiça seja feita. Quando eu vi que ela estava naquela janela, quando eu vi aqueles panos, eu pensei que a minha filha ia sair pela janela. Eu falei: ‘Vem filha, vem. A mãe está te esperando’. E ela falou assim: ‘Calma, mãe, calma’. A polícia não teve culpa de nada. Nada, nada, porque eles lutaram como eu lutei. Eles choraram comigo como eu chorei. Eu queria que tudo terminasse bem, mas já que terminou dessa maneira, eu estou muito agradecida a todos”, declarou a mãe de Eloá, Ana Cristina Pimentel em 2008.

O julgamento

 
Dezenove testemunhas podem ser ouvidas durante o julgamento – cinco de acusação, arroladas pela promotora de Justiça Daniela Hashimoto, e outras 14 de defesa, convidadas pela advogada Ana Lúcia Assad. Cinco repórteres e apresentadores de emissoras de televisão, peritos criminais e policiais foram chamados pela defesa. A ideia é mostrar como a cobertura jornalística pode ter influenciado negativamente o réu.


Caso todas as testemunhas sejam ouvidas, o julgamento pode durar até três dias. Lindemberg responde por 12 crimes - todos cometidos no período que manteve Eloá e outros três em cárcere. Ele é acusado desde o homicídio de Eloá, manter quatro pessoas reféns, duas tentativas de homicídio (de Nayara Rodrigues e um sargento da Polícia Militar) e o disparo de quatro tiros a esmo pela janela do apartamento.

Júri
Ao final do primeiro dia de julgamento, os sete jurados escolhidos são levados para um hotel na região. Os quartos, que já passaram por vistorias da Polícia Militar, não possuem pontos de internet, televisores ou telefone. Um oficial de Justiça acompanhará a estadia de cada jurado para evitar qualquer comunicação com o meio externo.


Julgamento
Feito o sorteio, inicia-se as oitivas das testemunhas. Não há um tempo limite para os depoimentos. Após esse período, Lindemberg será convidado a falar. Ele tem o direito de ficar em silêncio. Depois disso, serão iniciados os debates entre promotoria e defesa – cada parte terá 1h30 para defender suas teses. “Se necessário, a promotoria tem direito há uma réplica de 1h”, explica Daniela.

A promotora, que assumiu o caso em novembro do ano passado, está certa da condenação de Lindemberg, que pode passar os cem anos. Para ela, as provas são “cristalinas” e revelam que o crime foi premeditado. A peça apresentada pela acusação será o áudio gravado durante as operações do Gate. Segundo ela, “o intervalo entre o arrombamento da porta e os disparos efetuados por Lindemberg [já comprovados em laudo] revela que ele teve tempo para se entregar, mas escolheu não fazê-lo”.


Já a defesa, segundo a promotora, irá apresentar uma mídia com mais de 16 horas de material com a cobertura jornalística do caso. Para Daniela, a intenção da defesa será mostrar que o sensacionalismo e um possível contato abusivo da imprensa influenciaram negativamente Lindemberg. “Culpar a imprensa e a ação do Gate é uma forma de tentar tirar o foco do julgamento. Minha única intenção é reforçar os laudos”, concluiu a promotora.


Para a defesa de Lindemberg, o caso é uma aberração jurídica. "Espero que os jurados estejam com o coração aberto para ouvir a nossa versão. A versão do menino Lindemberg", afirmou Ana Lúcia Assad, nesta segunda-feira.

 

Com informaçoes do IG

veja também