Jovens batistas do Rio Grande do Norte debatem realidades juvenis

Jovens batistas do Rio Grande do Norte debatem realidades juvenis

Atualizado: Terça-feira, 7 Junho de 2011 as 2:27

No dia 21 de maio aconteceu o fórum Realidades Juvenis na sede da Igreja Batista Cidade Jardim, em Natal (RN). O evento, que contou com a presença de aproximadamente 200 participantes de diversas igrejas batistas da região, foi uma iniciativa da Juventude Batista Brasileira em parceria com a Convenção Batista do Rio Grande do Norte e teve como proposta conscientizar os jovens batistas sobre a importância de estabelecer ministérios relevantes nos aspecto espiritual e social. Além disso, o fórum tinha o objetivo de criar espaços nos quais os jovens pudessem expressar suas inquietações e percepções sobre a realidade social, além de discutirem formas de participação juvenil na transformação da sociedade.

A dinâmica do evento foi composta por três momentos: Primeiro, um momento de louvor e devocional no qual o coordenador de ensino da convenção local, pastor Emanuel Batista Uchôa, falou sobre o tema “O Reino de Deus aqui e agora”.

O segundo momento foi a realização de uma mesa de discussão sobre as realidades e políticas públicas voltadas para a juventude, que contou com a participação de alguns debatedores: O juiz da 3ª Vara da Infância e Juventude da comarca de Natal, Homero Lechner, o representante do fórum estadual de conselhos tutelares no estado e dirigente da ASSIM (entidade filantrópica que trabalha com conscientização de saúde na juventude em comunidades de baixa renda), Chiquinho, o representante da coordenação do PROERD Estadual (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência desenvolvido por policiais militares nas escolas de Ensino Público e Privado), o policial José Roberto Negreiros, o promotor de Justiça do estado do Rio Grande do Norte, doutor Marconi de Melo, o pastor Emanuel Uchôa, e a diretora executiva da Juventude Batista Brasileira, Gilciane Abreu. O mediador do debate foi o pastor Luís Leão. Nesse momento, os jovens presentes interagiram com os debatedores por meio de perguntas e respostas.

Marconi de Melo destacou em sua fala a falência da democracia representativa e a necessidade de se investir na democracia participativa, para qual o engajamento dos movimentos sociais e religiosos faz toda a diferença. Neste sentido, ele convidou a juventude batista a assumir uma postura para garantir melhores condições de vida para os jovens que estão no Centro Integrado de Apoio ao Adolescente Infrator (CIAD), em Natal.

Já Homero Lechner enfatizou a falta de políticas públicas implementadas à favor da juventude tratando de questões como a desestruturação da família, o grande número de jovens envolvidos com drogas e a necessidade de eles se recuperarem.

Em conformidade com a fala do juiz, Chiquinho incentivou os presentes a lutarem pela criação do conselho municipal de juventude para o fortalecimento das políticas públicas municipais com essa faixa etária.

Já o policial militar José Roberto Negreiro disponibilizou diversos dados sobre a mortalidade entre jovens, relatando também como é feito o trabalho preventivo do PROERD no Rio Grande do Norte.

Outra fala relevante foi a da diretora executiva da Juventude Batista Brasileira, Gilciane Abreu, e do pastor Emanuel Uchôa, que enfatizaram o papel da juventude batista na transformação da realidade social do Brasil.

No terceiro momento os jovens foram reunidos em pequenos grupos nos quais discutiram mais especificamente os problemas da juventude e propuseram ações de intervenção na sociedade tais como criação do PROERD para adultos, o desenvolvimento de um projeto de prevenção para alunos do ensino médio, fortalecimento de programas sociais, criação de centros de reabilitação no estado e manifestações públicas exigindo a efetividade dos direitos humanos e sociais.

Segundo alguns participantes, o fórum serviu para abrir seus olhos quanto à realidade brasileira e para que assim haja uma mudança de quadro.

Para outros jovens que participaram do encontro o fórum desperta para a necessidade de transformar a sociedade usando a Palavra de Deus para libertar os oprimidos. Além disso, alguns jovens avaliaram o fórum como um marco para a juventude batista do Rio Grande do Norte.

A partir de informações coletadas na ficha de participação no evento foi possível perceber que 49% dos jovens presentes têm interesse em conhecer e participar de projetos sociais, 34% se interessam mais por movimentos sociais de juventude e 11% por políticas públicas de juventude.

Isso indica o potencial da juventude para a criação de ações e estratégias de impacto para suas comunidades e também demonstra que a Juventude Batista Brasileira precisa incentivar a participação do jovem batista nas políticas públicas.

O evento terminou com uma grande celebração que contou com a participação de jovens durante os momentos de cântico, teatro e coreografia, e mais uma vez os presentes foram desafiados por meio de uma mensagem do pastor Luís Leão a serem voz profética no Brasil.

Com a realização desses fóruns a Juventude Batista Brasileira pretende também contribuir para a elaboração de políticas públicas de juventude, a partir da formulação de propostas descritas pelos próprios jovens.

Este ano acontecerá em Brasília (DF) a 2ª Conferência Nacional de Juventude, na qual Governo e sociedade civil, por meio de suas representações, deliberam sobre os rumos da política pública de juventude. É um momento muito oportuno para a Juventude Batista Brasileira, que compõe inclusive o Conselho Nacional de Juventude, poder participar deste processo democrático. É o momento de fazer a nação ouvir a voz profética dos jovens batistas do Brasil!    

veja também