Legado e expectativa para o Congresso Nacional de Homens Metodistas

Legado e expectativa para o Congresso Nacional de Homens Metodistas

Atualizado: Segunda-feira, 25 Abril de 2011 as 1:55

Natural de Carangola, MG, o Presidente da Confederação das Sociedades Metodistas de Homens, Abdenêgo Eugênio, 66, fala ao Expositor sobre as expectativas para o 12º Congresso Nacional que acontecerá em Porto Seguro, BA, nos dias 22 a 26 de junho.

No bate papo, ele falou também sobre o legado que vai deixar à Confederação, a expectativa para o congresso, sua trajetória como metodista e, o que marcou seu mandato de quatro anos. Bem humorado, ele brinca e diz que “as mulheres são bem vindas ao Congresso, desde que levem um homem, que pode ser o marido, o cunhado, o tio ou o amigo.”

Trajetória e liderança   Casado com Maria José Alves Eugênio em 21 de dezembro de 1968 na Primeira Igreja Presbiteriana, em Recife, Eugênio conta que "a Igreja Metodista estava em construção ainda, por isso, casei na presbiteriana; depois de casado, fui morar por 6 anos em Recife e Campina Grande, PB (64-70). Retornei a São Paulo mais tarde indo morar em Guarulhos e passei a frequentar a Igreja Metodista da Penha" (SP). Em 1976, ele mudou-se para Jacareí, onde pediu transferência para Igreja Metodista em São José dos Campos participando da congregação ali existente e, posteriormente, liderou junto com outros irmãos a construção do templo daquela cidade.

Oriundo da Igreja Metodista Central em Volta Redonda, seu pai, Sebastião Eugênio, juntamente com outros irmãos e irmãs participou da construção do templo e, por tradição familiar, Abdenêgo começou "muito cedo a assumir o papel de líder na comunidade. Fui aluno assíduo na escola dominical, além de dar início à liderança como presidente dos jovens, depois como secretário distrital e presidente da Federação dos Homens da 3ª Região Eclesiástica por dois mandatos."

Legado e Expectativa

Um dos grandes avanços, segundo Abdenêgo, é “deixar a confederação unida para contribuir na missão. Tudo na Igreja tem que gerar missão”, disse citando umas das frases do Bispo da terceira Região Eclesiástica, Adriel de Souza Maia. Para Abdenêgo, “houve um crescimento do número de sociedades de homens devido à mobilização em todas as regiões, com uma ênfase maior na Região Missionária da Amazônia (REMA), onde foi constituída a Federação. A expectativa é que, aproximadamente, 300 homens mais os familiares participem do congresso”. Até o fechamento dessa edição, havia 180 inscritos para o evento.

Numa reunião do Colégio Episcopal, na cidade de Poços de Caldas, ele conversou com Marisa de Freitas, Bispa da Região Missionária do Nordeste, REMNE, sobre a possibilidade de implantar um trabalho missionário, em especial, na cidade de Porto Seguro. “Esse será o grande desafio que a Confederação de Homens irá fazer nesse Congresso Nacional: apoiar o avanço missionário na REMNE. A diretoria plena, por unanimidade, ratificou a decisão em implantar um trabalho no sul da Bahia, contribuindo financeiramente com a manutenção e apoio do obreiro. Já temos, em caixa, R$10 mil reais ofertado por um dos membros da diretoria para esta finalidade” afirmou.

Ministério

Á frente da Confederação por quatro anos, Abdenêgo visitou todos os Congressos Regionais e aponta o que mais marcou seu  ministério nesse período: “o fato de conhecer todas as regiões me possibilitou um crescimento ministerial muito grande. Pude perceber a diversidade cultural, além das características próprias de cada região.” Abdenêgo afirma ainda que tem desenvolvido "um trabalho junto aos presidentes das federações no sentido de incentivarem a participação dos homens no próximo Congresso Nacional”.

Outro ponto importante a ser destacado para o congresso nacional, afirma Abdenêgo, é “a consolidação da realização do Iº Congresso Latinoamericano e Caribe, acertado com o apoio da Federação Metodista de Homens do Chile no 12º Congresso Nacional. Será uma grande conquista dos homens metodistas do cone sul”.

A frase dita por Josué (24.15) “eu e minha casa serviremos ao Senhor” faz parte da vida de Abdenêgo. Segundo ele as “três filhas são envolvidas com a vida e missão da igreja. Andreia Anália, por exemplo, é pastora em Jacareí, Patrícia Vanessa trabalha no Colégio Metodista e Pólo avançado em Bertioga e Adriana Vanessa é Pedagoga e professora da Escola Dominical.”

Nosso bate papo termina com um apelo de Abdenêgo às lideranças da Igreja Metodista: “Que os/as pastores/as bispos/a possam envolver toda a comunidade nesse Congresso Nacional que, certamente será um marco na vida de nossa Igreja e avanço para a Confederação”.    

veja também