Líder supremo do Irã vai rever condenação de morte do pastor Yousef

Líder supremo do Irã vai rever condenação de morte do pastor Yousef

Atualizado: Quinta-feira, 13 Outubro de 2011 as 9:25

O caso do pastor iraniano , que foi condenado à morte por um tribunal local foi levado ao líder supremo do Irã, o aiatolá Khamenei e devido a isso o veredito terá atraso, e pela pressão internacional há possibilidade de libertação.

A situação era crítica porque havia uma possibilidade real de que Nadarkhani poderia ser executado a qualquer momento sem aviso prévio, embora a sua execução está prevista para próxima segunda-feira, depois de ser condenado à morte por um tribunal na semana passada.

Nadarkhani, 32, foi preso em 2009 e acusado de apostasia, um crime punível por enforcamento. Um tribunal de julgamento constatou que embora nunca tivesse sido um muçulmano, era culpado de apostasia porque veio de uma família muçulmana. O Supremo Tribunal Iraniano confirmou a sentença de morte após a rejeição da Nadarkhani a negar sua fé, algo que tem inspirado cristãos ao redor do mundo.

O Ayatollah Khamenei  é a mais alta autoridade da República Islâmica do Irã, e o grau de envolvimento no caso significa que o veredito sofrerá um atraso na execução. “O movimento para envolver o líder mais poderoso do Irã mostra a pressão internacional que estão sentindo no caso”, diz Jordan Sekulow, executivo-chefe do Centro Americano para Lei e Justiça (ACLI).

“A participação do aiatolá Khamenei em um caso que tenha nascido em um tribunal regional é totalmente incomum. Podemos ter certeza que é devido as  mentiras sem fundamentos espalhadas  e com isso (finalmente Yousef foi condenado por violar a segurança nacional como um sionista e um espião ) o tribunal não iria procurar o conselho do aiatolá supremo. ”

Agora que Khamenei irá considerar o caso “, Hillary Clinton pediu a libertação incondicional de Pastor Yousef”, disse Sekulow.

Mais de 125 mil pessoas haviam assinado uma petição dirigida a H. Clinton para pressionar o Irã a favor do pastor, e tinha o apoio das ambas partes do Congresso, especialmente depois de receber uma carta dos congressistas Joe Pitts e Heath Shuler pedindo para ela intervir no caso e pedir a libertação do Pastor. “Pedimos-lhe para levantar a sua voz neste momento crítico, em favor do Pastor Nadarkhani. Não devemos ficar imparciais as mentiras do regime iraniano para executar um homem que não cometeu nenhum crime “, dizia a carta.

Enquanto isso, o Centro Europeu para Lei e Justiça (ECLJ, uma subsidiária da ACLJ), que tem status consultivo especial junto às Nações Unidas enviou uma carta em nome Nadarkhani, chamando a ONU para garantir a libertação imediata e incondicional o pastor.  A carta explica que a condenação de Nadarkhani a pena de morte é incompatível com a Constituição iraniana que estão sob as obrigações de um país que está sujeito as leis e tratados internacionais.

ECLJ lembrou que a ONU o caso do pastor “tem enormes implicações para todas as minorias religiosas e cristãos no Irã e é um indicador de desrespeito do regime iraniano aos direitos humanos e a liberdade”.    

veja também