Líderes buscam reciclagem no Summit 2008

Líderes buscam reciclagem no Summit 2008

Atualizado: Segunda-feira, 13 Outubro de 2008 as 12

Por Myrian Rosário

  Fornecer ferramentas práticas para ajudar o líder a levar sua igreja para um próximo nível, inspiração para mantê-lo em constante crescimento e visão para transformar sua comunidade. Essas foram as propostas do The Global Leadership Summit, que foi realizado na última sexta-feira e sábado, simultaneamente, em quatro capitais brasileiras: São Paulo, Belo Horizonte, Manaus e Rio de Janeiro.   Em São Paulo, o evento aconteceu na Igreja Bíblica da Paz e contou com a participação de 750 inscritos. "Este é, sem dúvida, o maior evento de liderança do mundo. Quem quer aprender sobre liderança precisa vir ao Summit", sentenciou Carlito Paes, pastor da Primeira Igreja Batista de São José dos Campos. "Esta é a quarta vez que venho. Estamos aqui num grupo de 10 líderes da nossa igreja, mas eu sempre compro o kit com os DVDs e organizo um evento para a liderança lá".   Com palestras apresentadas em videoprojeção, o Summit ofereceu ministrações de grandes líderes cristãos como Bill Hybels, John Burke, Craig Groeschel, fundador e pastor da Life Church TV;  Gary Haugen, Catherine Rohr, Chuck Colson, Wendy Kopp e T.D. Jakes. Estudioso de empresas duradouras, o professor universitário Jim Collins foi o único palestrante não-cristão. Ele falou sobre a longevidade das coorporações. "A igreja tem seu lado espiritual, mas também tem o aspecto coorporativo. E ele falou sobre a igreja como coorporação", explicou André Bessa, diretor da Associação Willow Creek do Brasil, organizadora do evento.   Experts em liderança

Mesclar líderes cristãos com experts em liderança tem sido uma das características do The Global Leadership Summit desde o seu surgimento, há 11 anos, nos Estados Unidos. "Esse é um evento 100% focado em liderança. O líder pode e deve aprender sobre liderança com cristãos e não-cristãos", analisou Bessa.  "Em todos esses anos, já tivemos palestras de personalidades como Bono Vox, líder do grupo U2; e dos ex-presidentes Bill Clinton, um presbiteriano, que falou sobre os erros da liderança, e Jimmy Carter. O evento traz desde líderes internacionais, como ex-presidentes dos Estados Unidos, até jovens líderes que estejam fazendo a diferença".   No Brasil, o Summit é realizado há quatro anos. Em 2005, aconteceu somente em São Paulo. Em 2006, em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador. Em 2007, também em Recife e Curitiba. Esse ano, marca a realização no maior número de cidades. Na próxima sexta-feira e sábado, dias 17 e 18,  será a vez de Araçatuba, São Gonçalo, Curitiba e Recife receberem a palestras. Nos dias 24 e 25, o Summit acontecerá em João Pessoa e Salvador.   A base do evento são as palestras realizadas, ao vivo, em Chicago. Todas essas ministrações são gravadas e exibidas em videoprojeção em várias cidades do mundo. "Eu recomendo que o líder vá, pelo menos uma vez, a Chicago", diz Carlito Paes. "Crentes ou não, os palestrantes sempre agregam muito porque alguns conceitos de liderança são universais. Esse evento quebra um pouco o preconceito de que todas as palestras têm que ser ao vivo. É por projeção, mas são as mesmas palestras, os mesmo líderes. Viva a tecnologia!".   André Bessa louva ao Senhor pela sucesso e a receptividade do evento. "Deus tem sido muito misericordioso e a grande lição até agora tem sido como Ele pode usar todas as coisas. Eu comecei a fazer evangelismo com folhetinhos e Deus usava. Hoje falamos para liderança através de vídeo e Ele usa também".   Reciclagem e comunhão   "Meu propósito aqui é pensar outras perspectivas sobre a atuação do líder, principalmente na igreja", disse Fernando Cruz, pastor dos Ministério de Missões e Ensino da Igreja Batista Memorial, de São Paulo. Cruz fez parte da caravana de 140 pessoas de sua igreja presentes ao Summit esse ano. "Queremos ajudar os líderes a criar suas ferramentas de trabalho. Levamos um grupo para Chicago, em agosto. Para nós, esse evento serve de reciclagem. Os pastores só dão e precisam receber também", analisou o Pr. Eduardo Gody, da Batista Memorial.   Segundo Godoy, além, das palestras, o contato com outros líderes e o ambiente do Summit também são valiosos. "É muito importante esse contato, não só com outros líderes mas também com os livros, com todas as ferramentas que encontramos à disposição aqui. Esse ambiente é muito bom e faço questão de trazer o máximo de pessoas que podemos. A igreja banca metade dos custos de cada participante".

veja também