Líderes e pastores comentam a morte de Kadafi

Líderes e pastores comentam a morte de Kadafi

Atualizado: Segunda-feira, 24 Outubro de 2011 as 9:15

Pastores e líderes comentaram em seus espaços virtuais sobre a morte de Muammar Kaddafi na semana passada, para alguns líderes a morte do ditador deve enviar um sinal para outros tiranos que estão propensos a perder o seu poder da maneira que obtiveram - pela força.

O presidente do Seminário Teológico do Sul, Dr. R. Albert Mohler,  disse em um podcast sexta-feira: "Nós já vimos essa história uma e outra vez, os tiranos tendem a ganhar o seu poder apenas por meios militares e eles tendem a perder sua poder apenas por aqueles mesmos meios militares".

Kadafi, que governou a Líbia há 42 anos, foi morto quinta-feira depois de ser capturado pelas tropas do Conselho Nacional de Transição em sua cidade natal de Sirte. Ainda que não tenha sido confirmado como exatamente os acontecimentos levaram à sua morte, a CNN informa que ele foi baleado enquanto seus captores tentaram carregá-lo em um veículo e ir embora.

  Em seu podcasting Mohler também afirma que a morte de Muammar Kaddafi põe fim a uma das vidas mais vilãs do nosso tempo. "O dia da sua morte não só pertence aos líbios, mas ao mundo, ele acrescentou, observando que "o mundo se livra de mais um tirano".

Enquanto fotos gráficas revelam Kadafi em seus últimos momentos com sangue no rosto, Mohler observou: "Moralmente falando, ele tinha uma grande quantidade de sangue em suas mãos".

Manifestações também vieram através do twitter. Na quinta feira um líder evangélico escreveu em seu perfil na rede: "Como um leão que ruge ou um urso de carga é o ímpio que domina sobre um povo pobre". Provérbios 28:15 Muammar Kadafi, 07 de junho de 1947 - 20 de outubro de 2011".

Orações   Com muitos desafios ainda pela frente com os líbios fazendo a transição de quatro décadas de ditadura e em direção a um futuro mais democrático, os Cristãos estão pedindo orações. O secretário-geral da Aliança Evangélica Mundial, Dr. Geoff Tunnicliffe, declarou: "Nossa oração é que este novo capítulo melhore o bem-estar para todo o povo da Líbia, bem como crie novas liberdades de religião no país”.

"Neste tipo de fundação famílias, comunidades e a nação da Líbia podem florescer. é também a nossa oração para que outros conflitos na região sejam resolvidos de uma forma mais pacífica e todas as pessoas tenham a oportunidade de encontrar a liberdade genuína".

O Conselho Nacional de Transição estima que leve pelo menos oito meses antes das eleições e uma nova Constituição seja elaborada.     Por Pollyanna Mattos Com informações do Christian Post

veja também