Líderes evangélicos cobram de Dilma 'carta à nação' sobre temas polêmicos

Líderes evangélicos cobram de Dilma 'carta à nação'

Atualizado: Quarta-feira, 13 Outubro de 2010 as 6:27

Em meio à polêmica sobre a descriminalização do aborto na corrida presidencial, líderes evangélicos cobraram nesta quarta-feira que a candidata do PT, Dilma Rousseff, apresente uma "carta aberta à nação" com compromissos firmes contra temas-tabus para os religiosos.

O apelo é para que Dilma seja mais contundente em relação ao aborto, casamento homossexual, adoção de crianças por pessoas do mesmo sexo e liberdade religiosa.

Alguns líderes religiosos chegaram a garantir que, se eleita, ela vetará qualquer iniciativa que afronte algumas dessas pautas.

A sugestão foi apresentada hoje durante um encontro da candidata com 51 representantes dos segmentos evangélicos. "Falar mal é fácil. Para falar bem você precisa de argumentação. [...] O problema é que estamos perdendo a guerra por falta de contundência", disse o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que nos últimos dias visitou 12 templos defendendo o voto em Dilma.

No discurso aos aliados, Dilma pediu o empenho das bases à sua campanha e, segundo relatos, teria repetido ser contra o aborto. No início de sua intervenção, a candidata declarou precisar primeiro da ajuda de Deus e dos votos cristãos para ganhar.

A avaliação dos aliados é de que é preciso executar ações de mídia para rebater os boatos que circulam nos segmentos religiosos contra a candidata. Após a reunião, políticos e líderes evangélicos gravaram depoimentos para serem usados na propaganda eleitoral.

"Ela não vai encaminhar nem sancionar qualquer coisa que ofenda os direitos religiosos, que descriminalize o aborto ou que promova o casamento homossexual", afirmou o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ).

Dilma deixou o encontro sem falar com a imprensa.     NATUZA NERY

MÁRCIO FALCÃO

DE BRASÍLIA

veja também