Líderes se manifestam ao governo: “Há uma batalha espiritual pelo controle do País”

Na carta, o Conselho Apostólico Brasileiro (CAB) repudia alguns jogos políticos e apoia a continuação das investigações, além de convidar os cidadãos a reforçarem jejuns e orações em favor do Brasil.

Fonte: GuiameAtualizado: segunda-feira, 4 de abril de 2016 16:10
Líderes de diversas igrejas brasileiras formam o Conselho Apostólico Brasileiro (CAB). (Foto: Reprodução/Facebook/CAB)
Líderes de diversas igrejas brasileiras formam o Conselho Apostólico Brasileiro (CAB). (Foto: Reprodução/Facebook/CAB)

Líderes de diversas igrejas brasileiras estão mobilizando milhares de pessoas em um abaixo-assinado publicado no site “Change”. O manifesto, de autoria do Conselho Apostólico Brasileiro (CAB), é direcionado à Câmara dos Deputados e ao Senado.

Na carta, o CAB repudia alguns jogos políticos e apoia a continuação das investigações, além de convidar os cidadãos a reforçarem jejuns e orações em favor do Brasil. “O que há por trás de tudo o que nossos olhos têm visto e os nossos ouvidos têm ouvido é uma forte batalha espiritual pelo controle do País”, diz parte do texto.

Até o momento, 2.289 pessoas apoiaram o manifesto. Ainda faltam 211 assinaturas para a meta de 2.500.

De acordo com o CAB, criado em 2005 por um grupo líderes evangélicos, o papel profético, informativo e educacional nos púlpitos não podem se ignorados. “Há oposição espiritual às promessas de Deus que permanecem vigentes em favor do Brasil (Isaías 55:11; Jeremias 29:11)”, afirma o texto.

“Cremos que nosso País atravessa um período de juízo, mas que toda correção Divina produz frutos de justiça e paz (Hebreus 12:11). Cremos também que nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra principados e potestades (Efésios 6:10), mas que o Brasil pertence ao Senhor Jesus Cristo, por direito de criação e redenção, e que por isso, o Todo-Poderoso por fim se levantará e responderá a nossas preces”, acrescenta a organização.

Dentre os pontos repudiados pelo CAB no manifesto, estão a prática de corrupção, a defesa de leis contrárias à família, à infância, à mulher e à moral, a tentativa de calar a voz da Igreja Cristã, a cultura da impunidade e a tentativa de desarmonizar o Executivo, o Legislativo, o Judiciário, a Polícia Federal e o Ministério Público.

Dentro os pontos apoiados pela organização, estão a continuidade das investigações sobre corrupção e o direito a informação, onde os responsáveis por crimes contra a Nação sejam identificados e responsabilizados sob as penas da lei.

“Não incentivamos o ódio, quaisquer posturas discriminatórias nem violência. Motivamos a oração e o jejum como instrumentos de ação espiritual daqueles que sabem que o Senhor julga a causa do necessitado e a injustiça dos que governam”, afirma o manifesto.

Veja a lista de líderes que formam a CAB e assinaram o manifesto:

Arles Marques – Comunhão Cristã – Igreja Apostólica. RAMC – Rede Apostólica de Ministérios Cristãos. – São Paulo/SP
Dawidh Alves – Igreja da Adoração – Rede Tabernáculos Brasil - São Paulo/SP
Ebenézer Nunes – Igreja Apostólica Batista Viva – Recife/PE
Francisco Nicolau – Igreja Batista das Nações – REBRAMIC – Rede Brasileira de Ministérios Cristãos – Valinhos/SP
Hudson Medeiros – Ministério O Renovo – Brasil de Joelhos – Brasília/DF
Jesher Cardoso – Missão Shekinah – Rede Apostólica da Aliança - São Paulo/SP
Joaquim José – Igreja Batista do Campos dos Afonsos – Rio de Janeiro/RJ
Luiz Scultori Júnior – Ministério Apostólico Terra Santa – Niterói/RJ
Neuza Itioka – Ministério Ágape Reconciliação – São Paulo/SP
Paulo Tércio – Igreja Apostólica Novidade de Vida – São Paulo/SP
Paulo de Tarso  – Igreja Betlehem – Casa Apostólica Betlehem -    São Paulo/SP
Rinaldo Seixas – Igreja Bola de Neve – São Paulo/SP
Sinomar Fernandes – Ministério Luz para os Povos – Goiânia/ GO
Valnice Milhomens – Igreja Nacional do Senhor Jesus Cristo – Brasília/DF

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições