Luteranos acolhem flagelados e distribuem alimentos, em Friburgo - RJ

Luteranos acolhem flagelados e distribuem alimentos, em Friburgo - RJ

Atualizado: Terça-feira, 18 Janeiro de 2011 as 4:22

A Igreja Luterana de Nova Friburgo foi transformada em ponto de apoio aos flagelados da chuva. Os bancos do templo foram afastados para abrigar os que perderam casas, as instalações foram limpas e os alimentos da dispensa distribuídos às pessoas desabrigadas, informou Márcio Rebouças, da diretoria da paróquia local.

O número de mortes subiu para 626 pessoas, em consequência das chuvas e deslizamentos na região serrana do Estado do Rio de Janeiro, informou ontem a Defesa Civil e a Secretaria Estadual da Saúde. Já são 13.830 desabrigados na área e o número não pára de crescer, obrigando as autoridades a improvisar locais de acolhimento.

A presidente da República, Dilma Rousseff, decretou luto oficial de três dias pelas vítimas das chuvas e disponibilizou uma verba de 100 milhões de reais (44 milhões de euros) para os governos estadual e municipais. Sérgio Cabral, governador do Estado, decretou luto de sete dias a partir de hoje.

As campanhas se concentram na doação de alimentos não perecíveis, água engarrafada, roupas e colchonetes. O acesso às regiões atingidas foi reforçada com a chegada de 50 veículos civis e militares e 11 helicópteros do Corpo de Bombeiros, da Defesa Civil, do Exército e da Marinha, que levam socorro médico, água e alimentos às regiões montanhosas de difícil acesso, por causa do volume de lama dos deslizamentos.

“Aqui em Nova Friburgo está um caos. A nossa igreja, secretaria e salão social foram invadidos pela água e lama até a altura do altar”, informou Rebouças. “O pastor Adelcio Krombauer tem-se mostrado incansável”, lembrou, tendo carregado “carrinho de mão com lama para fora da Igreja”. Concluir a limpeza é fundamental para “ter um mínimo de condições para receber as pessoas”, disse.

Sobre o número de mortos, o membro da diretoria afirmou de forma vaga que “muita gente morreu aqui”. Observou, contudo, que os casos vão crescer à medida que o socorro chegar a todas as regiões afetadas.

O pastor Sinodal Guilherme Lieven informou que, com a ajuda da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), fez contatos com parceiros na Alemanha com o intuito de aumentar a ajuda aos flagelados.

veja também