“A maneira de derrotar a ameaça islâmica é evangelizar com amor”, diz missionário

Daniel Ted viaja pelas comunidades muçulmanas e lidera equipes para evangelizar seus vizinhos islâmicos.

fonte: Guiame, com informações do God Reports

Atualizado: Quarta-feira, 25 Março de 2020 as 10:02

Daniel Ted evangeliza muçulmanos de porta em porta. (Foto: Reprodução/God Reports)
Daniel Ted evangeliza muçulmanos de porta em porta. (Foto: Reprodução/God Reports)

“O Islã é um inimigo espiritual. Não é físico. Não são pessoas. A única maneira de encontrar é a oração e a divulgação”, diz Daniel Ted, chefe do Diálogo Islâmico Cristão (DIC). “Sem pregar o evangelho, não há capacidade de mudar a mente e o coração das pessoas. Essa é a única esperança”.

“A maneira de derrotar a ameaça islâmica é evangelizar os muçulmanos com amor”, explica o evangelista.

"Se abordarmos problemas espirituais com meios físicos, como política, ou economicamente, não vai funcionar", ele diz à God Reports.

Daniel diz que ações militares não vão resolver a questão porque “o problema é de origem espiritual".

Ele diz que a abordagem aos muçulmanos na evangelização deve ser simples, sem argumentos sofisticados ou disputas de qualquer tipo. “Fale sobre Jesus e pontos do Alcorão que mencionam personagens da Bíblia. Depois da discussão, por mais quente que seja, ele abraça o homem com quem manteve a discussão”.

Daniel afirma que a principal chave para alcançar os muçulmanos é amá-los. “É por isso que, depois de fortes discussões, quando eu dou um abraço, eles se derretem. Eu já vi isso muitas vezes. E, em alguns casos, vi lágrimas nos olhos deles”, diz Daniel. “Se você começa com apologética ou polêmica, perde a amizade. Começamos com Jesus, e quando eles aceitarem Jesus em seus corações, estarão abertos a outras coisas.”

Evangelismo de muçulmanos nas ruas. (Foto: Reprodução/God Reports)

Muitos, muitos muçulmanos se converteram, diz ele. Ele não gosta de fornecer números porque seu trabalho é apenas a semente. “Somente Deus conhece o verdadeiro número de muçulmanos que completam a jornada para Cristo”, diz ele.

Testemunhando Cristo

O pastor Adrian Rodriguez, que tem quatro ex-muçulmanos em sua igreja nos arredores de Hartford, Connecticut, acompanhou Daniel em atividades de extensão. Ao redor do bairro é uma comunidade de refugiados do Oriente Médio.

“[Daniel] apenas começa a conversar com eles sobre o Alcorão e a Bíblia. Ele vai e testemunha aos muçulmanos. É tudo o que ele faz”, diz Adrian. “Ele conhece a raiz do árabe. Ele é um cara muito inteligente. Ele se encontra com imãs. Ele testemunha a eles”.

Viajando por 11 estados onde as comunidades muçulmanas estão, Daniel lidera equipes para evangelizar seus vizinhos islâmicos com o amor de Cristo. Não há muito aprendizado no quadro-negro, apenas andando pelas ruas e iniciando conversas.

“Jesus ensinou seus discípulos como fazer divulgação na prática e depois teoricamente”, explica Daniel. “Muitos cristãos querem aprender sem praticar.”

Uma vez por ano, Daniel lidera uma equipe na Inglaterra, onde existem 447 mesquitas. Em 2017, ele e a equipe começaram a evangelizar "de maneira um tanto antagônica", bem perto de uma mesa de muçulmanos devotos distribuindo Alcorões.

Abordagem de muçulmanos nas ruas. (Foto: Reprodução/God Reports)

“Enquanto (um muçulmano indiano) orava pela salvação, o grupo muçulmano ao nosso lado começou suas orações diárias”, narra o folheto do DIC. "Enquanto eles oravam ao deus do Islã, ele estava colocando sua fé no Deus vivo!"

Se a igreja da América não conseguir alcançar os muçulmanos com amor, Daniel adverte, há duas fases na introdução do Islã na América: a fase pacífica no início e depois, quando [forem] mais numerosos na população, os muçulmanos começam a impor a lei da Sharia para toda a população.

Mas não há necessidade de temer ou odiar muçulmanos.

Afinal, se eles estão aqui na América, isso faz parte do plano de Deus.

“Todo muçulmano nos Estados Unidos deve ouvir o evangelho. Deus os enviou do exterior principalmente para ouvir o Evangelho, e Deus colocou a igreja aqui nos Estados Unidos para pregar o evangelho”, diz Daniel. "Mas muitos cristãos hoje não estão fazendo isso."

* Nomes fictícios.

veja também