Maratona arrecada mais de 3,5 toneladas de alimentos

Maratona arrecada mais de 3,5 toneladas de alimentos

Atualizado: Quarta-feira, 24 Novembro de 2010 as 3:21

O sábado, dia 20, foi dia de recolher alimentos para o Mutirão de Natal em Joinville. Mais de 200 voluntários saíram pelas ruas do bairro Costa e Silva em um movimento chamado de Maratona da Solidariedade - promovido pela RIC Record da cidade -, que envolveu a Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA), cinco instituições não governamentais e voluntários da Igreja Adventista do Sétimo Dia da cidade. O resultado não podia ser melhor: em menos de três horas de trabalho, foram arrecadados 3,5 mil quilos de alimentos, mais roupas, calçados e brinquedos. Por volta de 9 horas da manhã, perto de 50 vans escolares se perfilaram ao lado da Praça do Bosque, no coração do bairro Costa e Silva, um dos mais populosos de Joinville. Divididos os voluntários, era a hora de correr pelas ruas em busca de alimentos. Até o meio-dia, as equipes passaram pelas residências. No final, se reuniram na escola adventista do bairro, para a contabilização e separação das doações. Os alimentos recolhidos serão organizados em cestas básicas que ficarão de responsabilidade de cada uma das instituições participantes. Para a Igreja Adventista, esta foi uma das etapas do Mutirão de Natal em Joinville. No dia 5 de dezembro, todas as igrejas da cidade farão carreatas em seus respectivos bairros para continuar a arrecadação.

Mais do que as toneladas de alimentos, a maratona serviu para testar a solidariedade dos moradores e os nervos dos participantes. A cada casa, uma nova surpresa. Os voluntários adventistas percorriam as casa com panfletos evangelísticos, que eram entregues a cada batida na porta das casas. "As pessoas ficavam felizes aos receberem o material. É muito bom esse contato com as pessoas", explicou o jovem Ícaro Gonçalves Vieira, de 11 anos. O trabalho conjunto das entidades também foi o ponto forte da maratona. "Quando se procura o bem das pessoas, não importa a parceria que se faça e as formas", completou Adilson Andrzejewski.

Por Luis Fernando Assunção

veja também