Marisa Lobo critica os 'pseudo líderes religiosos' que fazem manifestos contra Silas Malafaia

Marisa Lobo critica manifestos de religiosos contra Malafaia

Atualizado: Sexta-feira, 15 Fevereiro de 2013 as 2:59

 

Quero, como cristã, levantar uma discussão sobre algumas de nossas atitudes frente muitas vezes a um líder que está em evidência (mídia e ou sucesso ministerial) discutir as reais motivações que levam alguns a fazerem verdadeiras campanhas de difamação, negligenciando até mesmo que possa estar sendo usado de forma destrutiva por opositores reais à nossa Fé, servindo de “Idiotas uteis” desfocando assim nossa luta pela família, pelos ideais cristãos, que já estão tão machucados.
 
Provérbios 26:23-26
 
Como uma camada de esmalte sobre um vaso de barro, os lábios amistosos podem ocultar um coração mau. Quem odeia disfarça as suas intenções com os lábios, mas no coração abriga a falsidade. Embora a sua conversa seja mansa, não acredite nele, pois o seu coração está cheio de maldade. Ele pode fingir e esconder o seu ódio, mas a sua maldade será exposta em público.
 
marisa loboAlguns, que eu chamo de “pseudos líderes Religiosos”, contrariando o aprendizado Bíblico, e seus princípios, aproveitam um “fato que está na mídia” para trazer os holofotes para si. Não vejo em diferenças doutrinárias, fato suficiente para de forma tão irresponsável, não se importar com os conflitos, escândalos que possam estar sendo gerados com estas criticas destrutivas pessoais, que só nos envergonham e chocam a todos.
 
Denunciar as falcatruas cometidas por alguns líderes e igreja é obrigação, questionar não a prosperidade em sí, mas os exageros da teoria da prosperidade, que tornam fieis, escravos de uma prosperidade financeira aprisionadora acho válido e necessário. Mas, difamar pessoalmente um pastor líder de uma grande Igreja, de forma desrespeitosa por não concordar com ele pessoalmente, mostra uma motivação negativa que em nada contribui com o evangelho.
 
Saber ponderar, deixar o ego de lado e se unir mesmo não concordando pessoalmente, saber dar uma trégua as diferenças por uma luta maior, garantindo a defesa das causas da família que são as causas o evangelho, é sabedoria e nobreza.
 
Violência moral é o que muitos estão fazendo através das difamações em redes sociais que hoje é a maneira como alguns, por covardia e necessidade de ser o “foco” das atenções, encontraram para se vingar de seus próprios fracassos. Outros, de forma manipuladora ainda tentam convencer pessoas que seu ato difamatório é necessário para o bem de uma comunidade, bem da igreja. Um contrassenso? Uma necessidade? briga por Ego? Espaço de mídia? Ou formação reativa.
 
Somos falhos e reconhecemos isso, afinal somos seres humanos, vivemos em meio a um turbilhão de sentimentos e desejos para administrar, alguns não conseguem tolerar o sucesso alheio, pois ao olhar para esse sucesso, não enxergão  o exemplo, estímulo, apenas sua real pessoal incompetência. Alguns mecanismos de defesa podem estar envolvidos mascarando as reais motivações e ou motivo de tantas críticas destrutivas.
 
Lembrei-me agora de um mecanismo de defesa que o ego lança mãos para se defender, a Formação Reativa descrita por Freud.  Esses Mecanismos de Defesa substitui comportamentos e sentimentos que são diametralmente opostos ao desejo real. Trata-se de uma inversão clara e, em geral, inconsciente do verdadeiro desejo e ou motivo humano. É a hipocrisia desesperada consciente enquanto o subconsciente sofre.
 
Esses “adultos” tornam-se conscientes da inveja que não pode ser satisfeita, evocam consequentemente forças psíquicas opostas a fim de suprimirem efetivamente este desprazer. Para essa supressão elas costumam construir barreiras mentais contrárias a seu verdadeiro sentimentos, por exemplo, dizem sentir a repugnância, estarem defendendo a moral da igreja, quando na verdade estão escondendo se defendendo de seus sentimentos que são pura inveja do sucesso alheio. Este mesmo sucesso que dizem condenar, mas que desejam para si, não conseguido realizar tenta destruir o outro que o possui, com oposição, com desculpas e falas se colocando como defensores da verdade bíblica, e questionadores da riqueza alheia, e as causas verdadeiras ficam a mercê diante de uma guerra por ego escondida dentro do seu intimo.
 
Infelizmente, os efeitos colaterais da Formação Reativa na nossa sociedade cristã, podem prejudicar os relacionamentos com a igreja. As principais características dessa Formação Reativa são seu excesso, sua rigidez e sua extravagância. O verdadeiro motivo precisa ser escondido, através de mentiras, chavões, comportamentos, criticas, que nem sempre verdadeiras.
 
Através da Formação Reativa, alguns líderes são incapazes de admitir certo ressentimento em relação ao outro Líder que está em evidência, acabam interferindo exageradamente em suas vidas, sob o pretexto de estarem preocupados em nosso caso, com o bem-estar e segurança da igreja. “A Formação Reativa” trazendo para nossa realidade, oculta partes da personalidade e restringe a capacidade de uma pessoa responder a sentimentos e desejos que sabe claramente que a bíblia condena e dessa forma acreditando e se fazendo acreditar que está a serviço dela.
 
O mundo cria uma petição contra o Pastor Malafaia por não Concordar com suas ideias e opiniões que são verdades bíblicas falando deste contexto, e estão no seu direito. Já alguns religiosos que se dizem evangélicos, criam outra petição contra o Malafaia, textos ofensivos não por defender o evangelho como dizem, e sim por Formação Reativa. Precisamos analisar nossas reais intenções e as desgraças que delas possam surgir, antes de externa-las.
 
Quando for criticar alguém simplesmente ou algo, sonde o seu coração, suas reais motivações, seus temores, seus sentimentos mais indignos e veja se é para defender alguém mesmo, uma causa para um bem comum, ou se é simplesmente por complexo de inferioridade, negar sentimentos como “inveja” por ego desestruturado. E nunca se esqueça de foi o ego que destronou satanás.
 
Formação Reativa: É "o desenvolvimento no ego de atitudes e interesses conscientes, socializados, que são a antítese de certas tendências infantis, não-socializadas, que continuam persistindo no inconsciente". (Healy) Quando, por exemplo, uma solicitude excessiva é a resposta consciente ao ódio inconsciente, a condição (excesso de solicitude) é conhecida como formação reativa.
 
A formação reativa é uma forma de defesa contra impulsos que são inaceitáveis para o ego. É um dos primeiros mecanismos de defesa e um dos mais frágeis. Como disse Freud, "é inseguro e constantemente ameaçado pelo impulso que está à espreita no inconsciente". Fonte: (Nunberg, H. - Principles of Psychoanalysis, 1955)
 
 
Por Marisa Lobo
 
Referências:
 
- (Nunberg, H. - Principles of Psychoanalysis, 1955)
- Formação reativa. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-02-14]. Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/$formacao-reactiva>.
- Biblia sagrada
 

veja também