Médico cristão analisa pandemia ocorrendo durante a Páscoa: “Não é coincidência”

O anestesista e cirurgião geral Jerome Adams destacou como as comunidades de fé podem superar os desafios do coronavírus.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Domingo, 12 Abril de 2020 as 12:58

Jerome Adams é um anestesista americano e vice-almirante no Corpo de Comissionados do Serviço de Saúde Pública dos EUA. (Foto: GRETCHEN FRAZEE / WTIU NEWS)
Jerome Adams é um anestesista americano e vice-almirante no Corpo de Comissionados do Serviço de Saúde Pública dos EUA. (Foto: GRETCHEN FRAZEE / WTIU NEWS)

Um cirurgião geral dos EUA destacou como sua fé o está guiando nesta semana de aumento de casos de COVID-19 e no dia mais mortal da pandemia no país até o momento.

O Dr. Jerome Adams, que é vice-almirante do Corpo de Comissionados do Serviço de Saúde Pública dos EUA, continua trabalhando ininterruptamente na Força-Tarefa de Coronavírus, tentando conter a pandemia e até se preparando para um possível segundo surto.

"A China alertou para o ressurgimento do vírus. Os EUA já estão desenvolvendo um plano se uma segunda onda do vírus ocorrer?", perguntou A CBN News ao médico.

"Sim, é uma das coisas que obviamente é paralela ao pensamento sobre a possibilidade, como mencionei há pouco, sobre a mitigação, que nos permite virar a esquina - muito na frente é o que acontece quando o fazemos", disse Dr. Anthony Fauci. "O risco de haver um ressurgimento é real".

É por isso que testar agora é tão importante.

"Existem testes de anticorpos que estão olhando para trás e dizendo 'você teve esta doença em algum momento no passado? Isso é importante porque nos permite colocar os profissionais de saúde / trabalhadores da linha de frente de volta ao trabalho e colocar as pessoas em uma posição em que possam estar seguras" ", Disse Adams.

Adams disse que "se você já teve as doenças, existe uma chance de 99% de você estar imune e não ter a doença novamente".

“Não é coincidência”

Adams diz que entende como as famílias têm sofrido com o distanciamento social, mas que também é importante que entendam a importância da medida no momento.

"Eu mesmo sou cristão e a Semana Santa é muito especial para mim. Eu me lembro de ir à igreja para celebrações e é muito difícil não poder estar lá esta semana. Mas eu diria às pessoas de fé que não acho que seja uma coincidência que isto esteja acontecendo agora”, explicou.

O médico então explicou a relação que ele vê entre a pandemia do coronavírus e a Páscoa.

"Durante esta semana, celebramos o sacrifício final que foi feito por nós. Deus enviou seu único filho por nós. Inicialmente, isso foi triste. Mas no fim nós vimos a salvação. É muito triste que esta semana estejamos vendo números recorde de pessoas morrendo em todo o mundo”, afirmou.

“Pessoas estão se sacrificando quando permanecem em casa. Mas a salvação no final é que estamos achatando a curva, estamos começando a ver essas coisas. Essas coisas são na verdade, coisas que estão funcionando para nós”, acrescentou.

Adams ainda destacou que distanciamento social não significa desengajamento social.

"Eu diria a eles para orarem um pelo outro", disse ele. "Eu diria a eles para procurarem seus vizinhos. Distanciamento social não tem que significar desengajamento social".

veja também