Médicos demais e pastores demais nas grandes cidades brasileiras

Médicos demais e pastores demais nas grandes cidades brasileiras

Atualizado: Sexta-feira, 2 Agosto de 2013 as 7:57

cidade pequenaHá tão poucos médicos nas cidades do interior do país que o governo começa a se movimentar para preencher as muitas vagas existentes, através do programa Mais Médicos. Pelo menos 3.333 cidades já se candidataram a receber médicos do programa.
 
Mas o problema não é só na área da assistência médica. O recém-lançado Cidades do Interior; uma proposta missionária, de Sérgio Paulo Ribeiro Lyra, pastor presbiteriano e doutor em ministérios pelo Reformed Theological Seminary, traz um veemente apelo em favor do envio de pastores e missionários plantadores de igrejas para o interior do país, principalmente para as regiões Norte e Nordeste, as mais necessitadas. Segundo o autor, a grande maioria das cidades pobres possui menos de 5% de evangélicos, o que não acontece com as cidades financeiramente boas. Em Pernambuco, por exemplo, o censo de 2010 aponta 33 cidades com menos de 3% de crentes. Na Paraíba, a situação é quase três vezes pior (90 cidades).
 
Cabe perguntar: por que as cidades pobres possuem menos de 5% de evangélicos e praticamente nenhuma igreja reformada? O que as grandes igrejas urbanas fazem em prol da evangelização e da ação social nas cidades do interior? É o que Sérgio Lyra procura responder e identificar.
 
É oportuno lembrar que a grande maioria dos missionários presbiterianos norte-americanos, na década de 1960, trabalhava não nas cidades litorâneas e nas capitais, mas no interior do país. Vários deles se dedicaram a evangelizar cidades dos Estados de Goiás, Tocantins, Maranhão e Pará, ao longo da Rodovia Belém-Brasília (BR 114). Mesmo nos primórdios da Igreja Presbiteriana do Brasil (de 1859 em diante), os pioneiros, embora residentes no Rio de Janeiro e São Paulo, preocupavam-se também com as cidades do interior. Alexander L. Blackford (1829 – 1890), por exemplo, evangelizou não só a capital de São Paulo, mas também Rio Claro, Lorena, Brotas, Sorocaba, Bragança Paulista, Campinas etc. Quando ia à pequena cidade de Brotas, pregava nas vilas e nos sítios ao redor. Outro exemplo é George Chamberlain (1839 – 1902), fundador da Escola Americana, hoje Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mesmo ocupando o pastorado da Igreja Presbiteriana de São Paulo, viajou pelo interior da província e o litoral, evangelizando e abrindo igrejas.
 
Este exemplo histórico e o livro Cidades do Interior podem ajudar o governo a resolver o problema da carência de médicos e despertar igrejas reformadas e também outras igrejas evangélicas na área de missões nacionais. Há médicos demais e pastores demais nas grandes cidades brasileiras!
 
 
- Elben M. Lenz César
 

veja também