Memorial homenageia pastor Siegfried Schwantes

Memorial homenageia pastor Siegfried Schwantes

Atualizado: Terça-feira, 13 Setembro de 2011 as 11:59

Pastor e professor, Siegfried Julio Schwantes morreu em 2008, seis semanas antes de completar 93 anos de idade. As marcas de sua existência são reconhecidas e o Centro Nacional da Memória Adventista e Centro de Pesquisas Ellen G. White Brasil do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Engenheiro Coelho, rededicou um memorial em sua homenagem no dia 28 de agosto.

Keila Schwantes, filha primogênita do homenageado, esteve presente e participou das solenidades. Emocionada, contou um pouco sobre a história de seu pai.

Entre línguas existentes e extintas, Schwantes tinha o domínio de 20. Entre elas, árabe, hieróglifo, acádio, aramaico, syriaco, cuneiforme, esperanto, latim e grego. Dedicou a vida inteira à educação, movida por viagens e muito trabalho. Schwantes lecionou nos cinco continentes do planeta Terra, ocupou cargos importantes como educador e ao mesmo tempo em que foi professor de matemática, física, química e latim, atuava como pastor auxiliar na Igreja Adventista do Sétimo Dia de Santo Amaro.

Renato Stencel, coordenador do Centro de Pesquisas Ellen G. White Brasil, diz que Schwantes foi um exemplo de intelectual acadêmico. “A melhor maneira de honrarmos uma pessoa é nos comprometendo a seguir seus passos e buscando os mesmos ideais que ela buscou em sua vida”, afirma.

As homenagens contaram com mensagens musicais através de um quarteto masculino e a leitura da biografia de Schwantes pelo professor Stencel. Para a surpresa de Keila, um aluno do curso de Teologia se dirigiu ao público usando a beca de formatura de Schwantes, com uma tocha de fogo na mão. Keila ficou ainda mais emocionada.

O diretor geral do Unasp, pastor José Paulo Martini, participou do evento e conta que Schwantes é uma referência para pastores e professores da igreja adventista. “Um homem com caráter inquestionável e sabedoria incomum, que embasou muito bem seus conselhos e orientações”, ressalta. Para Martini, a rededicação do memorial serve de incentivo e motivação para que os alunos do Unasp sigam os passos do pastor e professor. “Nos dias de hoje precisamos de pessoas que sejam referências, que se colocam como modelos. Schwantes é uma dessas referências, um desses modelos”, finaliza.

Keila afirma que a educação sempre esteve em primeiro lugar na família de seus avós. “Desde mocinho meu pai gostava de estudar, ele queria aprender. Os pais dele, sem dúvida, o encorajaram”, relembra.

Para Stencel, foi uma honra receber no Centro White o memorial de Schwantes. “Ele deixou marcas na vida de muitas pessoas, inclusive na minha. Esse memorial vai lembrar a vida de um dos mais ilustres professores que o seminário de Teologia já teve”, conclui.

veja também