Mesmo contra a igreja, Metodistas americanos apóiam o casamento gay

Mesmo contra a igreja, Metodistas americanos apóiam o casamento gay

Atualizado: Segunda-feira, 4 Julho de 2011 as 9:15

Mais de 200 clérigos se juntaram a uma lista crescente de ministros Metodistas Unidos comprometendo-se a apoiar a união civil de pessoas do mesmo sexo, apesar das possíveis repercussões da Igreja.

Após as uniões civis serem oficialmente legalizadas no estado de Illinois no dia primeiro de junho, 208 membros do clero pertencentes a Igreja Unida Metodista assinaram um abaixo-assinado, afirmando que irão supervisionar uniões civis do mesmo sexo, segundo relatórios do Chicago Tribune.

A Conferência Nortista de Illinois para a igreja Metodista Unida tem consistido de grandes apoiantes dos direitos dos homossexuais por algum tempo. No começo de junho, a conferência teve uma votação inicial para acabar com a discriminação contra casais do mesmo sexo, e eles planejam uma petição no próximo encontro mundial da denominação em 2012. Eles agora se juntarão ao clero da região da Nova Inglaterra, Nova Yorque, e Minnesota, que tomaram medidas semelhantes, segundo o Huffington Post.

O Livro de Disciplina da Igreja Metodista Unida claramente que todos têm valor, mas "a prática da homossexualidade é incompatível com a doutrina cristã".

A determinação da Conferência Nortista de Illinois foi reforçada pelo resultado de uma decisão judicial da Metodista Unida em que o Rev. Amy DeLong foi suspenso por 20 dias, começando 01 de julho, por supervisionar uma união lésbica em 2009.

Embora considerada inocente de ser uma "praticante homosexual assumida", como afirma o Livro de Disciplina, ela terá que passar por um processo de um ano para "restaurar a relação da aliança clérica quebrada ", de acordo com o Serviço de Noticias da Metodista Unida .

DeLong diz que a punição não vai impedí-la de oficializar uniões do mesmo sexo no futuro. Ela é supostamente a primeira clériga da Metodista Unida em 20 anos a ser considerada culpada de supervisionar a união do mesmo sexo que não foi punida por uma suspensão por tempo indeterminado ou destituída de sua posição.

Apesar da postura de seus companheiros clérigos de Illinois, o Rev. Scott Field da Igreja Metodista Unida Wheatland Salem em Naperville seguem o livro, sugerindo que um desacordo moral com o estilo de vida homossexual não deve ser confundido com ódio.

"Illinois do Norte se imagina como uma espécie de voz profética na denominação", disse ele, segundo o Tribune. "é altamente lamentável. Ela politiza algumas questões legítimas sobre relacionamentos gays e lésbicos e nos deixa com uma nova rodada de conflitos."

Field teria dito que ele acredita que a Igreja não deve apoiar a homossexualidade, porém ela também não deve agir com violência contra as pessoas homossexuais.

Após o veredicto de DeLong, o reverendo Rob Renfroe, presidente e editor da revista Good News, disse que a suspensão não é uma punição forte o suficiente para cleros que atuam contra as leis da Igreja, de acordo com a UMNS.

"Em nenhuma outra organização uma pessoa seria capaz de deliberadamente quebrar as políticas da organização e continuar trabalhando", disse ele. " A atitude da organização seria a de agradecer a pessoa por o seu serviço, deixá-lo embalar suas coisas e conduzí-lo até a porta. "

A UMNS também informou que o advogado em nome da Igreja no julgamento de DeLong, o Rev. Thomas Lambrecht, disse que se sentia confiante de que o posicionamento da Metodista Unida sobre a homossexualidade não mudaria na Conferência Geral de 2012, apesar de que a oposição parece aumentar. Ele disse que os representantes conservadores de países como a áfrica, provavelmente continuariam a votar a favor da posição da Igreja sobre a questão como ela é agora.    

veja também