Meu Aba, meu exemplo, meu presente

Meu Aba, meu exemplo, meu presente

Atualizado: Sexta-feira, 12 Agosto de 2011 as 11:37

Até hoje não consegui superar os melhores presentes que meu pai me deu. Conselhos é o que chamo de melhores presentes. Estou casado, tenho dois filhos e continuo precisando dos conselhos do meu velho. Sempre os ouvi, nem sempre os pratiquei. Satisfação foi a colheita da prática, quebrar a cara foi a conseqüência de não seguir os conselhos dele.

Depois de décadas, percebo que Deus me deu vários pais. Quando criança meu pai era invencível, Aquiles não ganharia uma luta dele em hipótese alguma. Na escola descobri que meu pai era um Rui Barbosa, sabia tudo que eu perguntava. Na adolescência era a minha Barsa, uma verdadeira enciclopédia ambulante. Quando veio o interesse pela Bíblia vi que ele era a melhor Concordância que eu poderia ter, bastava perguntar sobre tal passagem, que livro, capítulo e versículo surgiam na ponta da língua. Quando me decidi, foi ele o pastor que me batizou. Me apaixonei e lá estava ele, o oficiante que me casou.

Poderia continuar a lista e certamente me esqueceria dos muitos pais contidos na simplicidade de um homem magro e de sorriso fácil, firme e sereno, bom papo e bom ouvinte, meu Aba, o papai que o Pai me deu de presente. E que presente!

Meu Aba não é o Bradesco, mas poderia ter o mesmo slogan do banco: Presença. As múltiplas funções, tarefas, cargos, compromissos, missões, nada foi justificativa para se ausentar, sempre deu um jeito, sempre esteve presente.

Paulo imitou a Cristo. Alguém imitou Paulo. Alguém continuou imitando alguém. Meu pai imitou alguém que imitou a Cristo. Eu imitei meu pai e, nesta linha, o Pai segue sendo imitado por muitos filhos e, gosto de imaginar, fica com um sorriso celestial de satisfação em seu rosto, repleto de alegria por saber de tantos que enxergam nEle a referência.

Valeu, pai. Seus conselhos são meus presentes. Minha gratidão, reconhecimento e amor são os melhores presentes que posso dar. Outros presentes você vai ganhar, fique tranquilo(!), mas são só lembrancinhas, nada comparáveis a você, meu Aba, meu presente.

Paz!

Por Pr. Edmilson Mendes

veja também