Miguel Romero aposta no apoio de evangélicos e do PP para garantir vaga na Alesp

Miguel Romero aposta no apoio de evangélicos e do PP para garantir vaga na Alesp

Atualizado: Segunda-feira, 19 Julho de 2010 as 11:37

Representar o PP de Rio Claro na disputa por vaga na Assembleia Legislativa de São Paulo neste ano. É com esta meta que o corretor de imóveis Miguel Romero Junior, 45 anos, confirmou a sua candidatura a deputado estadual na sigla, aguardando agora deferimento do pedido de registro.

Casado com Gisele Aparecida Prado Romero, pai de Miguel Romero Netto, o candidato do PP estudou nas escolas Joaquim Sales, Batista Leme, Ribeiro e Chanceler. Miguel chegou a cursar o primeiro ano de Direito na Universidade de São Carlos.

"Quero ser deputado federal para ajudar a construir um país melhor", enfatiza o representante do PP-Rio Claro na disputa. A caminhada de Miguel Romero na política teve início na década de 50, quando se filiou ao PDS a convite de Paulo Osório e Nevoeiro Junior.

Disputou em três oportunidades (na década de 80, em 2005 e 2008) eleições para a Câmara Municipal, porém não conseguir alcançar o seu objetivo. Diante do desafio de buscar número significativo de votos para garantir vaga na próxima legislatura da Alesp, Miguel Romero demonstra confiança.

"Busco o apoio de 15 diretórios municipais do PP da região. Entre eles: Leme, Santa Gertrudes, Charqueada, Conchal, Cordeirópolis, Iracemápolis, Santa Cruz da Conceição, entre outros", explica o candidato. "Sou o único candidato evangélico de Rio Claro. Integro a igreja Jesus é o Caminho", acrescenta.

Questionado se o número elevado de candidatos a deputado a estadual por Rio Claro (até o momento são 7) pode ameaçar o espaço que a cidade tem na Alesp, Miguel Romero avaliou: "Inviabilizar não, mas com certeza vai dificultar para que possamos garantir a segunda cadeira. Eu não tenho dúvida de que uma vaga está garantida para a nossa cidade. Agora, para que um segundo candidato também se eleja, votos da região serão necessários".

Para o candidato do PP, a questão da representatividade na Alesp é fundamental para Rio Claro. A seu ver, somente assim a cidade conseguirá receber benefícios do governo estadual sem ter de ficar com o chapéu nas mãos à espera de favores.

Com relação a deputado federal, Miguel Romero observa que também é muito importante que Rio Claro possa ter representante em Brasília. "Temos de manter um canal aberto para que o município possa receber recursos a fundo perdido. A prefeitura não tem condições de ficar contraindo empréstimos volumosos. O prefeito que empresta hoje deixará a conta para outro pagar lá na frente. Discordo desse tipo de política."

Sobre os candidatos forasteiros, que aparecem em Rio Claro a cada quatro anos em busca de votos, o representante do PP faz análise cautelosa. Para ele, não se pode jogar o manto em cima da cabeça de todos. "Há deputados que não moram em Rio Claro, mas fazem muito pela nossa cidade", argumenta.

Para Miguel Romero, no que diz respeito à sucessão estadual, a disputa está aberta. Ele acredita que os projetos de defesa do cidadão vão conduzir Celso Russomanno, do PP, à vitória.

"Ninguém mais suporta esse continuísmo que está instalado no governo do Estado. Esse pessoal só sabe cobrar e não faz nada. Foi só o Russomanno levantar a bandeira contra os preços absurdos cobrados pelos pedágios, que os demais candidatos começaram a discursar no mesmo sentido", frisa Miguel Romero.

Nesta semana, a Executiva Estadual do PP fechou apoio para a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff. Miguel Romero, de forma franca, deixa claro que não vai pedir votos para ela. "Ninguém pode apagar o passado. Tenho restrições contra Dilma Rousseff. Além do mais, se ela vencer, o continuísmo que critico no Estado de São Paulo vai acontecer na esfera federal", pontua.

Sobre a lei Ficha Limpa, o candidato do PP acredita que tal mecanismo será importante para a política nacional, mas alerta: "Nas eleições 2010, a lei não vai ter o efeito que desejamos. Agora, a partir de 2012, a situação será bem diferente".

Na entrevista, Miguel Romero fez ainda considerações sobre a Câmara Municipal e o Governo Altimari. Com relação ao Legislativo, o candidato do PT disparou: "Está deixando a desejar. Alguns vereadores não estão preparados para atuar na política. Votam de acordo com a sinalização do prefeito".

Com relação à administração municipal, Miguel Romero avalia que as promessas de campanha ainda não foram colocadas em prática. "Estão apostando todas as fichas na vitória da chapa Dilma-Temer. Se não der certo, a cidade vai parar", alerta.

veja também