Minha escolha está feita!

Minha escolha está feita!

Atualizado: Sexta-feira, 26 Outubro de 2012 as 2:56

 

Com a proximidade das eleições para prefeito (2º turno), ficamos ponderando em quem votar. Refletir bem antes de marcar algum nome na urna eletrônica é um exercício saudável de cidadania e garante escolhas melhores, ou não tão ruins. Pensando nisso, me lembrei de uma escolha muito errada, se bem que é difícil encontrar uma palavra que expresse a absurda escolha da multidão por Barrabás.
 
Jesus, de forma alguma, veio ao mundo para ser mais um na multidão. Ele  veio para marcar não apenas uma geração, mas para marcar a história e, assim, marcar a minha vida e a sua. Ele veio com propósitos específicos e isso incluía fazer coisas que não agradavam a multidão e muitas vezes, me atrevo a dizer, não agradavam até mesmo os mais chegados a ele.
 
Era estranho o fato de um homem deixar uma mulher de má reputação beijar seus pés. Era estranho ele parar e sentir que dele saia poder, enquanto muitos o tocavam, ainda mais porque era enquanto alguém morria. Ele desagradou quando lavou os pés dos discípulos, quando “demorou” para ir ver Lázaro ou quando entrou no templo com chicotes e destruiu mesas e cadeiras. As  pessoas ficavam incomodadas com o fato dele querer alimentar uma multidão quando não tinha comida e de querer orar a sós, quando havia muito trabalho a fazer.
 
Ele deixou Marta chateada quando disse que Maria escolheu a melhor parte e Pedro deve ter ficado entristecido por levar uma bronca, por cortar a orelha de Malco, afinal ele estava “defendendo a Cristo”. Jesus escandalizou quando tocou no leproso, um “intocável” aos olhos do todos. Ele também não agradou quando disse que iria para o Pai. Os sacerdotes, escribas e fariseus também se enfureceram por ele não se defender e simplesmente ir à cruz como um cordeiro.
 
É…a multidão…talvez ela quisesse um Rei vestido de roupas finas, feitas sob encomenda pelo mais requintado alfaiate de Jerusalém e entrasse na cidade montado no melhor cavalo, ganhador do prêmio “Crina de Ouro”… Ele não agradou.
 
É…os discípulos… talvez os discípulos esperassem que Jesus, em suas viagens, os hospedaria nos melhores hotéis da Galileia com direito a  hidromassagem, mas o teto era pequeno demais, Jesus preferia o luar, e o travesseiro era mole demais, melhor a pedra! Ele não agradou!
 
Por essas e outras, a história de Jesus foi marcada por muitos desagrados e foram tantos, que milhares de vozes se tornaram em um coro apenas: crucifica-o!  Barrabás, um homem mau, violento, estuprador, incompassívo, foi achado melhor do que Jesus, alguém que não consigo expressar com palavras.
 
Quais escolhas eu e você temos feito? Fomos salvos e chamados pelo Senhor para sermos seus embaixadores e, de alguma forma, fazer diferença em nossa geração. Isso implica não agradar a multidão e, muitas vezes, nem os mais íntimos!
 
Quem nos chamou é quem nos guia. Nosso alvo é Cristo, é com ele que iremos morar para sempre e é a ele que devemos agradar!
 
Talvez hoje você não escute: “crucifica-o”, mas talvez escute: “Não vale a pena. Esse papo de santidade é bobagem, igreja é uma instituição falida, sai disso. Você poderia gastar seu tempo com outras coisas”.
 
Depois de tudo o que Cristo passou – com certeza, algo muito pior do que eu e você passamos – ele ressuscitou e está assentado à destra de Deus Pai, honrado e adorado 24 horas por dia, 7 dias da semana e 365 dias por ano.
 
Se escolhemos ao Senhor, para nós está reservada uma coroa de glória e, ainda melhor do que isso, estaremos na presença do Pai para sempre! Alguém disse que, para a orquestra emitir uma sinfonia perfeita num recital, é necessário que o maestro fique de costas para a platéia. Escolha Jesus e não se importe com o que vão dizer, esta é a melhor escolha de sua vida.
 
 
por Danubia Guarnieri

veja também