Ministério Cristão ilegal vai a justiça por tatuar crianças com "SSS"

Ministério Cristão ilegal vai a justiça por tatuar crianças com "SSS"

Atualizado: Segunda-feira, 10 Janeiro de 2011 as 9:15

Há 14 anos na ilegalidade, representantes do Ministério Crescendo em Graça, acompanhados de advogados, tiveram que explicar ao ministério da Justiça, do Interior e à polícia, esta semana, como continuam atuando no país e os motivos pelos quais tatuam crianças e adolescentes com a sigla SSS – salvo sempre salvo – e o número da besta, 666.

Os seguidores do portorricense José Luis de Jesús Miranda tiveram que explicar em cada uma das audiências como procedem. Em 2008, foi negada personalidade jurídica a esse ministério eclesial, que atua sob a fachada de instituição educacional.

O juiz Fabricio Guillén adiantou que depois de escutarem os religiosos decidiram ordenar o fechamento definitivo das instalações do Crescendo em Graça em Tegucigalpa, porque essa igreja não tem permissão oficial para atuar no país. Guillén explicou à imprensa a documentação apresentada pelos religiosos existem irregularidades e incongruências.

O advogado da igreja, Abraham Maldonado Orellana, informou, na saída de uma das audiências que em 2009 foi concedido ao Crescendo em Graça o reconhecimento jurídico.

Os religiosos argumentaram que “os meninos que se tatuaram sabiam o que estão fazendo”, e que o 666 significa “prosperidade, amor e riqueza”.

O Ministério Crescendo em Graça foi fundado e governado pelo ex-pastor pentecostal José Luis de Jesús Miranda, no início dos anos 80 do século passado em Miami, Florida, onde tem seu centro principal de operações.

A igreja recusa todos os escritos que não sejam os de Paulo, porque são os únicos que contêm a verdadeira mensagem do Evangelho. Também proclamam que a existência de Satanás é um mito e não aceitam o sacramento do batismo e da Ceia.

veja também