Missionários brasileiros ajudam áreas carentes em Newark-NJ

Missionários brasileiros ajudam áreas carentes em Newark-NJ

Atualizado: Segunda-feira, 11 Maio de 2009 as 12

Buscando levar alimentos, esperança e libertação física e espiritual a sem-tetos, viciados em drogas, ladrões, prostitutas e carentes, os missionários brasileiros Robinho de Jesus e Dayse Salema atuam no Ministério Fé & Esperança com Cristo na Liderança, apoiado pela Charity Baptist Church, liderado pelo pastor e capelão Leslie Jones. Quase diariamente, o casal Robinho e Dayse visita desabrigados que dormem  embaixo da ponte na Jackson St., que liga os municípios de Harrison e Newark (NJ), além de conjuntos residenciais públicos (Projetos), onde eles oram, oferecem alimentos e a Palavra do Evangelho.  

Todas as semanas, o casal distribui cerca de 300 cestas básicas em Newark, a cidade mais populosa do Estado Jardim. A ação beneficente somente é possível graças à generosa contribuição do Grupo Triunfo & Seabra's (Antônio e Paulo Seabra), Brasília Grill, Brazuka (Karine), Seabra's Rodízio, Teixeira's Bakery, Jorge Auto Sport Dealer e o pastor Leslie Jones.

Testemunho vivo de que a fé e perseverança podem restaurar a vida das pessoas, o Pastor Robinho, natural de Matias Lobato, interior de Minas Gerais, relatou que, após libertar-se do vício das drogas, álcool e da criminalidade, relata sua história àqueles que buscam libertar-se dos grilhões da dependência química e delinqüência.

"Aos onze anos de idade fui consagrado ao Satanás, na magia negra, e aos 12 anos cometi o meu primeiro crime bárbaro, então, fui para Governador Valadares (MG) e depois cheguei aos Estados Unidos aos 29 anos e continuei na criminalidade. Em Up State New York atuei como "drug dealer" (traficante de drogas) e usuário de drogas e álcool e também fui membro de gangue (La 18). Já roubei pelas ruas de Newark, até cinco dólares, para comprar uma pedra de crack", testemunhou Robinho.

"Em South River (NJ), onde ele mora há quinze anos, já chegou a ser preso três vezes ao dia. Ele era totalmente desacreditado pela população e polícia local, só dava problemas", acrescentou a missionária Dayse, esposa do pastor.

A libertação de Robinho ocorreu, quando, sob o poder de drogas, ele planejava realizar um massacre no interior de um bar local. "Quando eu desci, coloquei a mão para cima e disse: Olha, se você realmente existe, se você é o tal de Deus que os 'pinguins' (evangélicos) acreditam e andam por aí ajeitados. Se você é o tal Deus, se você realmente existe, está aqui (a pistola), está cheia. Daqui a quinze minutos vai abrir o café, e eu vou acertar esse povo todo, vou matar com força. Se você é o cara, você sabe que eu comecei a matar aos doze (anos). Se você existe, eu tenho somente quinze minutos. Vou subir e cheirar mais uma linha e fumar o crack que eu tenho, mas se você trocar a minha vida, eu vou trilhar seus caminhos pelo resto de minha vida. Aí, eu vou seguir você, vou largar todo o resto, porque eu sei que o resto é fraco", disse ele.

Ao retornar ao seu apartamento, Robinho consumiu mais drogas e ficou desacordado por três dias. "Eu sentei no sofá que eu tinha e dormi por três dias. A cocaína que havia cheirado me botava alerta, dava para eu ir ao Brasil a pé de costas. Eu sabia o que estava usando e mesmo assim dormi por três dias. Quando acordei estava todo babado, vômito, e aquele arsenal em cima da mesa", acrescentou ele.

Surpreso por ainda estar vivo, Robinho entrou em contato com um amigo. "Todas as vezes que eu ía à casa do Zé, ele me dizia: Robinho, entra que eu quero te dar um abraço. Então, eu respondia: Zé não posso entrar porque estou trincado que nem um canário. Ele dizia: Jesus te ama e ele vai te abraçar um dia", disse o Pastor.

Graças ao apoio do amigo Zé, Robinho passou a reunir-se com um grupo de evangélicos que realizavam um projeto em South River. "Foi quando eu o conheci, pois estávamos lá fazendo um trabalho com o pastor da American Baptist Church. Começamos esse trabalho justamente na casa do Zé, então, quando ele ligou, o Zé falou assim: Tem um pessoal aqui começando um trabalho, por que você não vem para ver se você gosta e muda de vida", explicou a Pastora Dayse.

Além de encontrar a libertação, Robinho também descobriu o amor, pois a Pastora Dayse se tornaria sua futura esposa. "Foi amor à primeira vista da parte dele, da minha não (risos). Ele era uma figura. Quando o conheci ele ainda fedia a enxofre, o cheiro do diabo. Ele estava bem magro, horrível. A gente se conheceu e a vida dele me interessou muito, porque nessa época Deus havia me separado por três anos. Eu estava totalmente separada de jejum, orações, leitura da Bíblia, eu sabia que algo estava para acontecer na minha vida, só não sabia o quê. Comecei a trabalhar com ele na área de libertação e oito meses depois nós estávamos casados, foi quando a gente pôde entender o propósito de Deus", disse ela.

A cerca de um ano, o casal de missionários visita áreas carentes em Newark e concede testemunhos de sua tragetória. O trabalho está registrado em um CD e um livro autobiográfico escrito pela Pastora Dayse. "Há um ano atrás, Deus nos fez parar aqui em Newark. Numa quinta-feira, às 11 horas da noite, fomos buscar um brasileiro que morava debaixo daquela ponte, que liga Newark e Harrison. Quando a gente entrou lá', esse rapaz não estava, mas encontramos um outro brasileiro, dois hispânicos e um afro-americano. Foi quando percebemos que haviam pessoas que moravam debaixo de ponte, como no Brasil, um povo nosso também", disse a missionária. "Isso cortou o coração da gente e nos fez entender que precisávamos fazer alguma coisa. Começamos com cem cachorros-quentes e cem refrigerantes e ele (Pastor Robinho) cozinhava arroz e feijão, que a gente levava aos brasileiros, hispânicos e portuguêses e começamos a entrar nos projetos".

Além da visita a projetos e áreas carentes, os pastores realizam cultos em português nas instalações da Charity Baptist Church, na 51 Jones St., em Newark - NJ. Os interessados em apoiar o Ministério Fé & Esperança com Cristo na Liderança podem obter mais informações através do tel.: (732) 309-1223 ou dos E-mails: [email protected] ou [email protected]

veja também