Muçulmanos e cristãos encaram futuro comum

Muçulmanos e cristãos encaram futuro comum

Atualizado: Sexta-feira, 29 Outubro de 2010 as 7:30

Dirigentes muçulmanos e cristãos, junto com estudiosos e especialistas em questões religiosas, representando organizações islâmicas e cristãs, vão se reunir de 1 a 4 de novembro no Centro Ecumênico de Genebra, Suíça, numa consulta internacional sobre assuntos de interesse comum.

"Transformar as comunidades: cristãos e muçulmanos construindo um futuro comum", tema da consulta, definirá e se ocupará de questões de interesse mútuo, oferecendo orientações para a cooperação entre muçulmanos e cristãos, incluindo enfoques para a ação conjunta inspirados na fé.

A consulta será inaugurada por sua alteza real, o príncipe Ghazi Bin Muhammad Bin Talal, enviado pessoal e assessor especial de sua majestade, o rei Abdullah II, da Jordânia, e pelo arcebispo Anders Wejryd, da Igreja da Suécia.

Participarão também na consulta: o secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), reverendo Olav Fykse Tveit, o secretário geral da Associação Mundial da Dawa Islâmica, Muhammad Ahmed Sharif, o representante da Liga Muçulmana Mundial, Abdulrahman Ao-Zayed, e o secretário geral do Fórum Mundial para a aproximação das escolas de pensamento islâmico, ayatollah Muhammad Ali Ao-Tashkiri, o presidente da Federação de Igrejas Protestantes da Suíça, pastor Thomas Wipf, e o xeique Yousef Ibram, imã da mesquita de Genebra.

A consulta, que se baseia nas sólidas bases de iniciativas e atividades realizadas no passado por diversas organizações e redes, é uma iniciativa conjunta cristão muçulmana tanto em seu planejamento, financiamento como participação.

"Cristãos e muçulmanos têm a responsabilidade conjunta de contribuir o melhor de seus recursos teológicos, espirituais e éticos para o bem comum da humanidade", afirmam os organizadores.

Eles esperam que a consulta "desenvolva formas concretas de construir um futuro comum para conseguir sociedades mais compassivas e justas, baseadas na equidade, na cidadania compartilhada e no respeito mútuo".

Os cerca de 60 participantes examinarão três questões fundamentais no contexto das relações entre muçulmanos e cristãos: maiorias e minorias religiosas, do conflito a uma justiça compassiva – construir ecologias de paz, formulação de instrumentos educativos para resolver problemas.

veja também