Mulher critica aborto em evento do Google: "Precisamos orar antes de confrontar a cultura"

O discurso de Stephanie Gray acabou viralizando nas plataformas de vídeos, após ela criticar o aborto com diálogo e argumentos científicos.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: sexta-feira, 25 de maio de 2018 14:48
Stephanie Gray. (Imagem: Google - videos)
Stephanie Gray. (Imagem: Google - videos)

Uma palestrante pró-vida cujo discurso sobre o aborto na sede do Google se tornou viral, está incentivando os cristãos a pensar profundamente e jamais deixar de orar deliberadamente antes de enfrentar os males culturais. "Essa é a abordagem de Jesus", ela argumentou.

Durante o Wilberforce Weekend patrocinado pelo Centro Colson em Washington, DC, Stephanie Gray, que é do Canadá e co-fundadora do Centro de Reforma Bioética, lembrou que há um ano, na noite anterior, ela estava programada para falar em uma conferência do Google. Estava em pânico.

"Eu estava cheia de ansiedade e achei que deveria desfazer a apresentação que preparei fervorosamente", disse Gray, "Então teria que bolar algo novo em 14 horas."

Ela decidiu entrar em contato com sua irmã e contou sobre seu nervosismo. Sua irmã denominou aquele sentimento como "uma batalha espiritual". Ela também disse a Gray para "dizer a Satanás para ir ao inferno", e então dormir um pouco e dar a palestra que ela planejava dar. Sua palestra se chamava "Aborto: da controvérsia à civilidade", que acabou viralizando pela internet, depois de ministrada no evento.

A experiência lembrou-a da passagem em Efésios 6, que fala sobre a batalha que os crentes enfrentam contra a maldade espiritual e os principados e poderes demoníacos, disse ela.

"Estamos em uma batalha espiritual", Gray enfatizou. "Se vamos confrontar a cultura e entrar nessa batalha de uma forma muito séria, então há três coisas que precisamos fazer".

A primeira é que a contemplação seja priorizada sobre o confronto, seguindo o modelo de Jesus ao fazê-lo, disse ela, e a partir daí faça as perguntas certas e conte boas parábolas.

Ela encontrou essa sabedoria seguindo o conselho que recebeu de um de seus diretores espirituais para ler o livro "A alma do Apostolado". O livro explicava que as pessoas no ministério tendem a se concentrar na seção das escrituras em Lucas 10, onde Jesus diz que a "colheita é abundante, mas os trabalhadores são poucos".

"Não é assim que essa passagem termina", afirmou ela.

"O texto se conclui, dizendo: 'Ore, portanto, para que o Senhor da colheita mande mais trabalhadores para a colheita'. A passagem nos redireciona para orarmos", disse ela sobre a tentação de ficar tão ocupada fazendo as coisas e reduzir a quantidade de orações e preparações.

Quando os trabalhadores priorizam o tempo para orar deliberadamente, eles se tornam como reservatórios que se enchem e então o excesso transborda, em oposição a meros canais onde a água continuamente passa, disse ela sobre os insights em "A Alma do Apostolado".

Ela explicou que um encontro com Deus é necessário e que a união com Ele dá origem à quietude, o que possibilita a prontidão necessária para enfrentar os males da sociedade.

"Se quisermos que nosso confronto leve à transformação, temos que fazer as perguntas certas e contar boas parábolas", destacou Gray.

Ela fez isso em vários contextos ao debater a questão do aborto. Durante um desses eventos em uma universidade canadense, ela viu toda uma fila de manifestantes entrar carregando cartazes; ela pensou que eles iam começar a protestar e cantar, mas sentaram-se e Gray começou a falar.

Para explicar como a vida começa na concepção, ela decidiu contar uma parábola, para tornar o ponto mais compreensível. Ela convidou o público a imaginar que eles foram para a Escócia - de onde seu pai é - e saíram em um lago em um barco onde avistaram o famoso monstro do Lago Ness. Ao ver o monstro aparecer acima da superfície da água por alguns segundos você tira uma foto com uma câmera Polaroid, ela explicou.

Você está feliz por ter a impressão da foto porque seus companheiros de barco não viram o monstro nos breves momentos, mas quando você entrega a Polaroid, são apenas manchas negras e manchas, ela continuou contando a história fictícia. Mas um companheiro de barco nunca viu uma câmera Polaroid e não sabe como a tecnologia funciona e acha que a foto não foi tirada da maneira correta. Ele rasga a foto e a joga no lago, destruindo a única evidência de que você realmente viu o Monstro do lago Ness.

Imagine que você fica com raiva por ver a única prova destruída a imagem e eles olham para você como se você fosse louco.

"E eles dizem, são apenas manchas marrons. Por que você se importa tanto com manchas marrons?", citou.

"E eu disse: 'Você provavelmente responderia que aquelas manchas marrons, manchas negras, tudo sobre a imagem do monstro do Lago Ness foram capturado em um instante. Só precisava de tempo para se desenvolver".

Naquele momento, as manifestantes dos direitos de aborto se levantaram, ergueram seus cartazes e começaram repetidamente a gritar "Meu corpo, minhas regras!" por 30 minutos, adiando o debate até a segurança chegar.

A parábola era tão potente que eles não podiam refutar, mas optaram por tentar suprimi-la, disse ela.

Gray também lembrou que em outra ocasião um professor que ela estava debatendo admitiu que um feto e embrião eram humanos, mas que o aborto era justificável, já que uma pessoa não tem o direito de levar outra pessoa a fazer algo em seu corpo sem o seu consentimento. Como a lei não deveria forçar você a doar um rim para uma criança doente, também a lei não deveria exigir que o útero fosse usado.

Gray tomou notas enquanto ouvia isso, rezando enquanto ouvia seu argumento.

"Qual é a natureza e propósito do rim versus a natureza e propósito do útero?", ela perguntou. "Porque quando respondemos a essa pergunta, chegamos a ver porque um pai não é obrigado legalmente a dar um, mas deve ser legalmente obrigado a dar o outro".

O rim existe no meu corpo para o meu corpo. Mas o útero é diferente; existe todo mês se preparando para o corpo de outra pessoa.

"Eu posso viver sem o meu útero mas a minha descendência não pode. É um órgão único de todos os outros na medida em que existe mais para a próxima geração do que para mim. E é por isso que não sou obrigado a dar o meu rim para dar o meu útero ".

Gray notou que ela foi informada depois que o professor ficou acordado a noite toda tentando pensar em uma resposta.

Durante uma sessão de perguntas e respostas em outra ocasião, uma senhora veio até ela e perguntou-lhe sobre a permissibilidade do aborto quando uma gravidez foi concebida em estupro. Gray passou por vários argumentos com essa mulher, mas percebeu, através do impulso do Espírito Santo, que ela não estava realmente pedindo por um debate intelectual, mas estava falando de um lugar de profunda dor. A mulher era uma vítima de agressão sexual.

"A contemplação antes do confronto é tão importante para que tenhamos a sabedoria de saber que questões e histórias devem ser direcionadas para a cabeça ou para o coração", concluiu Gray.

Siga-nos

Mais do Guiame