Mulheres cristãs promovem conscientização sobre o abuso infantil

Mulheres cristãs promovem conscientização sobre o abuso infantil

Atualizado: Quarta-feira, 4 Maio de 2011 as 10:54

Traumas por abuso sexual, como enfrentá-los? Somente as pessoas ou mesmo as crianças que foram vítimas desse abuso sabem o tamanho do sofrimento. Além de marcas físicas, a dor do abuso deixa marcas emocionais em mulheres e crianças, que em alguns casos tornam-se irreparáveis.

Foi pensando nisso que o grupo Mulheres em Ação promoveu o evento “Salvar uma Tamar”. O nome do evento foi em referência ao  capítulo 38 do livro bíblico Gênesis, que narra a história de Tamar, uma mulher, que sofreu muito sentimentalmente e parecia carregar uma maldição nessa área da vida. O objetivo da ação foi  de divulgar e conscientizar às mulheres sobre o abuso infantil.

Dessa vez, a palestra ocorreu em Pretória, capital administrativa da África do Sul e foi ministrada pela fundadora e líder do grupo (WIC), que em inglês significa Women in Action, Márcia Pires. “A pior coisa é quando uma criança tenta confiar em seu pai, mãe ou responsável e é acusado de mentir. Quem deveria proteger uma criança é o primeiro a prescindir de uma prova de abuso”, destacou a líder.

A gerente de mulheres e homens contra o abuso, Boogie Dlamini, fez questão de ressaltar que as crianças maltratadas passam por um exame completo para detectar em detalhes os maus tratos e depois são preparadas para o tribunal. Ela também alertou aos pais presentes no evento para ficarem atentos e prontos a ajudar os filhos, em caso de abuso. “Nós sempre orientamos aos nossos filhos a dizer ‘não’, mas uma criança de três anos não pode dizer não a um homem mais velho. Nós, como pais temos de lhes ensinar o que é certo e errado. Devemos proteger nossas crianças. Abuso é um problema mundial. Uma criança não pode segurar um fardo, mas nós temos que ajudá-las”, declarou.

“Salvar uma Tamar” foi uma campanha lançada pela primeira vez no Cenáculo do Espírito Santo, em Soweto, em  agosto de 2010. Desde então, WIC tomou uma posição firme contra o abuso de mulheres e crianças na sociedade.

veja também