Multidão unida na luta contra o vício

Multidão unida na luta contra o vício

Atualizado: Quinta-feira, 14 Outubro de 2010 as 1:47

Segundo relatório anual da Organização das Nações Unidas contra as drogas e crimes, a cada ano em Alagoas, tanto o consumo, como o tráfico e os crimes crescem de forma assustadora: 80% do número de homicídios entre os jovens alagoanos estão relacionados ao tráfico de drogas. Relatórios estatísticos revelam que maconha, crack, cocaína e loló são os entorpecentes de maior circulação no Estado.

Somente na Grande Maceió, a Polícia Militar apreendeu 94,25 Kg de drogas no período de janeiro a julho de 2010. Tráfico que rompe as barreiras da capital e atinge também o interior de Alagoas, onde, somente nos sete primeiros meses deste ano, foram apreendidos 3.070 Kg de maconha e 563 pedras de crack. 

Pensando nisso, o bispo Sérgio Correa – responsável pelo trabalho evangelístico da Igreja Universal do Reino de Deus no Estado de Alagoas (foto ao lado) – promoveu, no último dia 10 de outubro, o Dia Estadual do Combate ao Vício, um evento realizado em todas as igrejas Universal do Estado de Alagoas, voltado para a libertação dos vícios no cigarro, no álcool, nas drogas e nos jogos.

Na porta da Catedral, a equipe do grupo Força Jovem, composto por 51 jovens com idade entre 16 e 26 anos, alertava à população sobre as consequências do consumo de entorpecentes e sobre o tratamento espiritual realizado pelo grupo especializado em tratamento com dependentes químicos, “Dose mais forte, desenvolvido pela Igreja Universal.

A doméstica Jane Batista, 35, foi uma das primeiras a chegar. Muito emocionada, ela não conseguia conter as lágrimas ao falar sobre o problema que a levava pela primeira vez à Igreja Universal. “Meu irmão é usuário de drogas há sete anos. Já roubou tudo dentro de casa, para a infelicidade de meu pai. Estou vendo a hora de ele, um senhor de 65 anos, morrer de tanto desgosto”, desabafou ela, antes de entrar no salão, a poucos minutos do início da reunião.

Jane estava acompanhada da irmã Jaíse Jacinto, 39. A autônoma, além de compartilhar o sofrimento do pai, contou também sofrer com o vício do esposo, um escravo do cigarro. “Ele fuma compulsivamente, é agressivo. Tenho duas filhas pequenas e já não sei o que fazer. É muito sofrimento”, dizia ela, sem conter as lágrimas.

Lágrimas de desespero que também passearam sobre a face da aposentada Severina Ferreira, 50. Acompanhada pelo irmão e pela cunhada, ela contou que há 25 anos sobrevive ao lado de um alcoólatra. “Meu esposo me maltrata. Já não tenho paz, nem saúde. Meu mundo desmoronou”, lamentava.

Mulheres, homens, crianças, famílias inteiras em busca da libertação. Cristiano Silva, 24, interno de uma clínica de recuperação para dependentes químicos, também participou da reunião. Ele que, junto a outros 20 jovens, lutam contra esse mal há alguns anos.

A reunião foi marcada por fortes momentos de busca, clamor, oração e muitos testemunhos de quem agiu a fé pela libertação, como a autônoma Maria Helena Lins, 56 e o único filho dela, Marcelo Lins, 36 (foto ao lado). Durante quinze anos, o rapaz foi viciado em drogas. Começou com a maconha e logo veio o crack. “O primeiro trago foi por curiosidade. Depois, a influência dos amigos me incentivou a continuar”, contou ele. Ela lutou durante oito anos pela libertação do filho, até encontrar na Igreja Universal. “Peguei forte nas correntes. Foram exatamente 4 semanas e ele se libertou”, conta ela ainda com lágrimas nos olhos. Hoje Marcelo é um homem casado e feliz.

O Templo Maior da Igreja Universal de Alagoas está localizado na Avenida Comendador Gustavo Paiva, 3076, no bairro de Mangabeiras.  

veja também