"Não confundo meu trabalho com cristianismo", garante irmão de Dunga

"Não confundo meu trabalho com cristianismo", garante irmão de Dunga

Atualizado: Quinta-feira, 3 Novembro de 2011 as 8:33

Pouco mais de um ano após a queda nas quartas de finais da Copa do Mundo, o ex-auxiliar técnico da seleção brasileira Jorginho trocou o discurso fervoroso e oa ataques à imprensa por atitudes afáveis, reflexivas. Ele se diz "irmão" de Dunga, afirma que jamais misturou religião com seu trabalho no futebol e ainda projeta retornar ao comando da equipe nacional.

Tudo isso revelado em entrevista que deu a "Folha de S. Paulo", publicada na edição desta quarta-feira. Aos 47 anos, Jorginho comanda a sensação Figueirense no Capeonato Brasileiro, time que a seis rodadas do final briga diretamente por uma vaga na Copa Libertadores da América de 2012.

É fácil saber sua avaliação sobre 2010 logo quando refere-se a Dunga. "É meu amigo, meu irmão. Interessante que a gente nunca foi amigo quando era jogador, hoje somos muito amigos. Ele vai voltar [a trabalhar] ano que vem e vai demonstrar todo o valor dele", afirmou.

Do trabalho com a seleção, diz só lamentar a relação criada com a imprensa ao longo do ano da Copa. "A única coisa que eu lamento, que foi acontecendo ao longo de 2010, foi essa distância entre nós e a imprensa. Esses arranhões que aconteceram, isso foi desnecessário, dos dois lados, tanto da imprensa, quanto do nosso", avaliou.

Jorginho quer voltar à seleção. "A seleção está bem servida com o Mano, mas espero voltar. Os quatro anos ali dentro me deram uma visão muito clara como auxiliar e como treinador, porque auxiliar não deixa de ser treinador, é o objetivo futuro. Sei que agora não, mas depois de 2014, com certeza", revelou.

Religião Aos 47 anos e ex-atleta de cristo, Jorginho também garantiu que jamais misturou religião com seu trabalho no futebol. "Eu nunca trabaçhei com religião. Uma coisa era o Jorginho atleta, atleta de Cristo. Quando terminei a carreira, nunca fiz reunião, como técnico, nunca fiz. É um mito que as pessoas criam. Sou evangélico, amo Deus, amo a palavra de Deus, mas não confundo meu trabalho com cristianismo", garantiu.  

Com informações da ESPN

veja também