A necessidade de reler a Cristo

A necessidade de reler a Cristo

Atualizado: Quarta-feira, 3 Abril de 2013 as 8:27

 

grulhaCada dia torna-se mais urgente relermos Cristo.
 
Buscarmos nas escrituras, na oração, na disciplina, no serviço ao próximo, na literatura, na música, nas ruas, nos becos, nas páginas de livros sinceros, na humildade de um coração que suplica por entendimento... e em um monte de outros lugares e situações que nem consigo citar agora.. precisamos anelar pela presença do filho do Homem. 
 
Jesus não é isto, nem aquilo, vai além!
 
Obviamente não se parece com engravatados vociferando condenações inflamadas, mergulhadas numa raiva doentia, cheias de desprezo e arrogância.
 
Mas não sei bem se Ele tem o rosto parecido com os que, com ótimas motivações, gritam contra os engravatados (e os julgam sem medo de errar) e exaltam os que eles humilham, transformando-os em mártires, modelos, heróis.
 
Creio que sou meio "quadrado". Minha mente não foi capaz de ir tão longe quanto as dos que já entenderam o jeito que a bíblia trata de temas polêmicos. Ainda penso com temor. Oro com tremor. Lamento minha limitação e confesso não saber como agir.
 
Tenho amigos de todos os lados.
 
Os que engrossam as fileiras dos que socam o púlpito e repetem o discurso religioso com uma santa reverência. Eles acreditam ser a voz que clama na cidade o que se ouvia no deserto: - Arrependam-se! 
 
Também tem os acadêmicos que descobriram na filosofia, sociologia, antropologia, pedagogia e em outras áreas do conhecimento, uma forma mais relativa de ver as coisas e um senso crítico impregnado de sabedoria secular. São inteligentes. Amáveis. Engajados. Colocam a mão na chaga que muitos fingem não existir. Seriam, talvez, chamados de liberais. Normalmente não se envolvem muito com a instituição igreja e sentem pouco afeto pelo mundo gospel. 
 
Ou ainda os que não frequentam e nem desejam frequentar uma comunidade religiosa e tocam suas vidas com bons sentimentos, metas legais, histórias bacanas, escolhas bem ponderadas e liberdade intensa. Estes ignoram o valor da bíblia e duvidam que há apenas um só caminho.
 
Minha cabeça quase funde em momentos em que decido dar um basta em tudo e concluir quem está certo.
 
Por isso, volto a ler Jesus. A querer mais de Jesus. A reconhecer minha fome e sede por Jesus - o Pão e Água da vida.
 
Jesus é a cara do Reino. Ele é o todo do mistério. Nele tudo converge e só Nele tudo faz sentido.
 
O que Jesus diz sobre as coisas que eu digo?  Será que Jesus enxerga exatamente o que eu enxergo nas realidades com as quais interajo?  Eu me importo com a Verdade? Exalto o que vem do céu?
 
 
Do que adiantará ser conhecido como alguém legal por não pregar minha fé a quem acredita não precisar dela, se isto levar pessoas a uma morte eterna?
 
E do que valerá tentar enfiar minha verdade goela abaixo dos que me cercam se, no final, ficar claro que eu interpretei a Palavra com soberba, egoísmo e radicalismo e tornei o fardo leve em uma carga que nem meu mesmo poderia carregar?
 
O texto é longo, eu sei. Me perdoem.
 
E qual é a conclusão? Busque a Jesus. Leia Jesus. Ore para e com Jesus. Entregue-se a Jesus. Surpreenda-se com Jesus. Evite ter convicções que não se baseiem no que Ele disse, fez e é. 
 
Claro que não chegaremos a todas as respostas, mas tenhamos a certeza de que pelo menos fizemos de tudo para que a misericórdia fosse o caminho percorrido em busca delas.
 
Abraço amigos.
Que Deus continue usando a vida de vocês.
 
 
- Thiago Grulha
via Facebook
 

veja também