Nick Vujicic: "Se não recebi meu milagre, me torno um para as pessoas"

Nick Vujicic: "Se não recebi meu milagre, me torno um para as pessoas”

Atualizado: Quinta-feira, 24 Outubro de 2013 as 7:02

Portador da rara síndrome tetra-amelia, Nick Vujicic tornou-se um exemplo de fé e superação.
 
Hoje, aos 30 anos, ele surfa, viaja o mundo dando palestras e vive como uma pessoa normal, apesar de não ter os braços e as pernas.
 
No domingo, 20 de outubro, Vujicic esteve na Igreja Batista da Lagoinha, em Belo Horizonte-MG. Ele participou de uma coletiva de imprensa com a presença de jornalistas de diversos veículos de comunicação.
 
Ao iniciar contando sua história, ele encantou a todos e surpreendeu ao afirmar: “Se não recebi meu milagre, me torno um para as pessoas”.
 
Confira abaixo alguns trechos da coletiva de imprensa:
 
 
Nick Vujicic e Ana Paula ValadãoVocê casou recentemente, fale um pouco sobre o casamento.
 
Nick Vujicic: Muita gente acha que precisa se casar para ser feliz, você precisa primeiramente ser feliz solteiro para então se casar. Se você não está feliz com Jesus solteiro, não será também quando se casar.  As pessoas sempre sentem falta de afirmação e de encorajamento, seja pela aparência ou pelo que as pessoas dizem, mas é necessário que primeiro haja realização em Cristo.
Agora outro ponto que quero abordar é que não é necessário um namorado (a) para se sentir completo.  Se honrarmos a Deus Ele nos honrará.
 
O sexo fora do casamento nunca é melhor do que o sexo dentro do casamento, porque Deus o criou para o matrimônio. Aprendi as leis de  Deus sabendo que elas não me restringem, mas me dão liberdade.  Eu já havia conhecido outras moças que acreditavam que eu seria um bom marido para elas, mas quando vi minha esposa foi amor à primeira vista.
Quando a conheci foi algo lindo, porque quando minha esposa me viu, ela sentiu algo que não havia sentido por nenhum outro rapaz, ainda que ela estivesse namorando na época (risos). Namoramos por 12 meses, e coloquei os anéis no bolo no dia que fui pedi-la em casamento. Enquanto comia um pedaço de bolo peguei a aliança com a boca e coloquei nos dedos dela e disse que a amava. Ela chorou durante dois minutos e disse sim.
nick familia
 
Após fazer o pedido de casamento, passei por uma grave crise financeira e perdi tudo. Quando toda essa situação aconteceu, ela disse: “Tudo bem. Com o meu trabalho de enfermeira sustento nós dois”. Então vi que realmente ela era a mulher da minha vida. Quando for procurar alguém, procure encontrar uma pessoa que primeiramente ame a Deus mais do que todas as coisas, e depois que ame você. Eu a amo mais do que a mim, e procuro cuidar bem porque ela não é minha, mas de Deus.
 
 
Descreva parte da sua rotina.
 
Nick Vujicic: Quando era adolescente queria provar que podia ser independente. Aprendi sozinho a pentear meu cabelo, escovar meus dentes e tomar banho sem ajuda de ninguém, posso fazer todas essas coisas. Quando mostrei para mim mesmo que era capaz, fiquei satisfeito, mas para todas essas tarefas percebi que gastava muito tempo, então aceitei ter uma pessoa comigo para auxiliar.
Portanto, tenho um ajudante que vai comigo para todos os lugares, essa pessoa me ajuda a vestir, me leva para os compromissos e também me traz de volta para casa.  Nos meus dias de folga, fico quieto e tranquilo com minha esposa. Se eu preciso de alguma coisa, ela está ali comigo e me ajuda, mas ainda assim posso fazer muitas coisas sozinho, consigo fazer três quartos de uma pessoa normal.  Tenho sempre a consciência que posso ser independente, mas que também posso pedir ajuda.  Por exemplo, quando viajo com minha esposa tem uma pessoa que viaja conosco para nos ajudar, porque sou muito pesado para ser levantado toda hora.
 
Como foi seu primeiro contato com Jesus?
 
Nick Vujicic: Na verdade, cresci em um lar evangélico. A todo o momento ouvia falar de Jesus. Em algumas vezes até ouvia meu pai pregar do amor de Deus, mas pensava: “Onde está o amor de Deus se Ele me deixou assim?”, “Como Ele pode ter um plano para minha vida?”. Então li Jeremias 29.11: “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais”, e não conseguia acreditar naquele versículo até que comecei a receber fé no meu coração. Pedia braços e pernas, mas Ele me deu muito mais do que braços e pernas.
 
Tenho um par de sapatos no meu guarda-roupa, caso Ele queira dizer sim para minhas orações. As pessoas podem ou não acreditar, mas o que as pessoas pensam não mudam a verdade de Deus. A verdade é que Deus tem um plano, mesmo que você não acredite. Já vi pessoas que não podiam andar serem curadas e cegos enxergar. Ele nos ama se nós acreditarmos ou não, porque o plano dele é sempre melhor do que o nosso.
 
Conte um das piores situações que você passou e qual foi a solução que o levou a vencer o problema.
 
Nick Vujicic: Uma coisa pior do que a incapacidade que temos como seres humanos é o pecado e a morte. Fora isso, só o medo. Medo do que as pessoas pensam de nós, medo do futuro, medo de estar só, medo de não vencer aquela dificuldade, a melhor forma para passar nessa dificuldade, é lembrando a sua alma constantemente das promessas de Deus.
 
Posso fazer qualquer coisa para ignorar meu medo, mas ainda ele estará lá. Contudo, se entrego meus medos a Deus, Ele me dá paz, força. Em Filipenses 4.13, diz que posso todas as coisas em Cristo que me fortalece. Lindo é entender a Palavra de Deus e ter a compreensão de que somos herdeiros de muitas promessas. Quando enfrento situações difíceis, às vezes nem sei como orar, mas amigos, familiares, irmãos em Cristo oram pela minha vida. Somos uma família e precisamos uns dos outros. Compartilhe as suas dores, não lute sozinho, você não é a única pessoa que está passando por dificuldades.
 
Você já viajou por vários países. Qual é a maior necessidade que observa na hora de pregar o evangelho?
 
Nick Vujicic: As deficiências causadas pelo orgulho e imoralidade. Como evangelista nunca salvei ninguém, não posso salvar nem a minha própria alma, porque sou apenas servo do Deus altíssimo. Precisamos entregar esse fardo para Ele. Não podemos carregar os fardos do mundo, mas entregá-los a Deus.
 
 
com informações da Lagoinha

veja também