Nívea Soares: "Se humilhar não prejudicava a identidade de Jesus"

Nívea Soares: "O fato de se humilhar não prejudicava a identidade de Jesus"

Atualizado: Quarta-feira, 12 Junho de 2013 as 9:30

“E, acabada a ceia, tendo o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que o traísse, Jesus, sabendo que o Pai tinha depositado nas suas mãos todas as coisas, e que havia saído de Deus e ia para Deus, Levantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se. Depois deitou água numa bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido.” João 13:2-5”.
 
Jesus sabia que tinha todo o poder e que ninguém teria em si mesmo o poder de tirar sua vida. Deus deu a Jesus autoridade sobre todas as coisas e nada poderia ameaçar os planos dele. Até mesmo a traição de um de seus amigos cooperaria para que os propósitos de Deus se cumprissem.
 
jesusJesus sabia sua origem, a quem pertencia, quem era e para onde voltaria. Sua identidade estava segura, ainda que a traição e os sofrimentos que ele estava por passar fossem tão dolorosos. Apenas quem tem consciência de sua identidade consegue de fato se humilhar e servir ao seu próximo.
 
Jesus lavou os pés empoeirados e mal cheirosos dos seus discípulos. Como se sabe, lavar os pés de alguém era trabalho de um escravo. Os escravos pertenciam a mais baixa escala social daqueles dias. No contexto da opressão romana em que Israel vivia não seria possível que eles tivessem escravos prisioneiros de guerras com outras nações. Logo, o mais provável é que os escravos daquela sociedade fossem judeus mais pobres se vendendo, como escravos, para pagar dividas, ou mesmo ladrões condenados à servidão. Em suma, os devedores eram escravos.
 
Mas espere aí, Jesus não devia absolutamente nada a jovens pescadores, andarilhos, traidores, ladrões, pecadores. Ele era um mestre, e como se não bastasse, ele era o próprio Filho de Deus, o Cristo, o Ungido tão esperado pelos judeus. Ele não devia nada a ninguém, pelo contrário, as pessoas é que deviam honra e adoração a ele.
 
Porém, Jesus, o Santo Filho Ungido de Deus, lavou os pés empoeirados e mal cheirosos dos discípulos pecadores, para demonstrar qual deveria ser a atitude geral em seu reino. Neste reino não haveria a opressão dos pequenos pelos mais poderosos, pelo contrário, o maior seria aquele que prontamente serviria a outros. Nesse reino não haveria lugar para a competitividade que rege e desgasta os relacionamentos humanos, haveria uma ambiente de humildade, amor, serviço, solidariedade e cooperação de uns para com os outros.
 
O fato de se humilhar, servir, se esvaziar, não prejudicava em nada a identidade de Jesus, pelo contrário, mostrava claramente sua natureza de “manso e humilde de coração”. Era como se ele dissesse: eu tenho tanta certeza de quem eu sou que sou capaz de me humilhar ao mais baixo escalão da sociedade para servir por amor a vocês, sem que isto prejudique em nada minha identidade de grandeza, majestade, soberania e poder absoluto.
 
Jesus não precisava se autoafirmar e nem necessitava da afirmação dos homens, ele sabia que era o Ungido, o Filho de Deus. Mesmo sendo absolutamente grandioso, ele é manso e humilde de coração.
 
Que outro rei é como ele? Quem é como ele? Por ser quem ele é, no seu reino apenas os humildes de espírito terão herança. Que esta reflexão nos leve a reavaliar os princípios para os quais temos vivido nossas vidas no tempo em que estamos. Hoje ouvimos muito, nas entrelinhas, sobre o estilo ideal de vida: “ah, eu quero ser o maior. Ah, eu quero ser o melhor, o mais alto. Quero ser o mais rico, quero ser o mais…”. Que Deus nos ajude a ser mais como Jesus!
 
 
- Nívea Soares
 

veja também