No Facebook, Apóstolo Rina escreve sobre encontros com Chorão na igreja

Ap. Rina escreve sobre encontros com Chorão na igreja

Atualizado: Terça-feira, 12 Março de 2013 as 8:01

 

Fãs e admiradores de Chorão do Charlie Brown Jr. ainda vivem o luto da perda do cantor.
 
Alexandre Magno Abrão, nome de registro do artista, foi encontrado morto em seu apartamento na última quarta-feira, 6 de março.
 
O apóstolo Rina, líder da Bola de Neve Church, publicou em seu Facebook um texto em que relata seus encontros com o cantor nas poucas vezes em que foi à igreja.
 
Confira a publicação de Rina:
 
chorão
 
Em 2005, entrei na Igreja de Boissucanga para pregar, quando na porta me apresentaram um visitante ilustre, parecia muito à vontade por conhecer já algumas pessoas ali, e disse: "vim à convite de um amigo de muitos anos", depois do seja bem vindo, começamos o culto. Naquele dia, enrolei na bateria, Catalau, Denise e Leandro completaram a banda no louvor. Em Igrejas menores quem vai pela primeira vez, se apresenta, ele disse: "sou o Alexandre". Durante as músicas, ele cantou, bateu palma, com um sorriso inocente e uma alegria de criança, ele acompanhou a letra no projetor: "a alegria está no coração de quem já conhece a Jesus, a verdadeira paz só tem aquele já conhece a Jesus; o sentimento mais precioso, que vem do nosso Senhor, é o amor que só tem quem já conhece a Jesus". 
 
Depois do louvor, ele inquieto, veio se despedir: "valeu, Pastor, gostei, mas vou indo nessa"... Me lembro de ter dito: "vai não, veio para o culto e vai embora na hora da palavra? fica aí mais meia horinha, senta aí..." Ele disse: é mesmo!" E eu: "lógico"... Ele sentou e ouviu uma pregação sobre a fé de Tomé, sobre como Tomé teve que lidar com o fato de não ter crido, enquanto todos os outros creram na ressurreição de Jesus; sobre como temos de lidar com o sentimento de frustação por termos falhado com Deus, conosco e decepcionado aqueles que nos amam, pois, todos esperavam que Tomé tivesse a resposta certa nos lábios.
 
Um sermão que lembrou que a fé de Tomé foi restaurada num encontro com um Jesus pessoal, que não o julgou, que sabia que sua natureza o levava a ser desconfiado; um Jesus que se revelou como vivo, tirando as dúvidas de Tomé, o permitindo tocar as feridas em suas mãos atravessadas por cravos, por amor a nós. Que amor paciente; Jesus sabia que Tomé precisava ver para crer. 
 
No fim da pregação ele levantou, saiu e disse para o Igor: "ainda não estou pronto, mas vou chegar lá..."
 
Dois anos depois, citibankhall lotado, era a gravação do primeiro DVD da Igreja, e na mesma noite um cd ao vivo do Rodolfo. Glauco e Tarobinha, amigos do Alexandre, o conduziram a mais uma reunião em que o nome de Jesus estaria envolvido. Entre uma banda e outra, agradeci a presença dele, foi quando ele percebeu que era amado ali também, entre pessoas que priorizavam sua espiritualidade. Falei um pouco sobre a importância da adoração e de usarmos nossos dons e talentos para glória dele.
 
Ao orarmos, me lembro dele de pé, com a mão direita levantada, entre muitas pessoas, convidando Jesus para habitar em seu coração. Quando voltei à galeria, o encontrei quebrantado e o escutei dizer: "pastor, da primeira vez, no litoral, estava com os dois pés atrás, hoje com os dois na frente... Estava me sentindo uma formiga, depois de receber o carinho do povo, estou me sentindo um elefante." Me lembro de ter dito: "você é amado", ele continuou: "dá parabéns para sua esposa, lembro dela de Santos, as músicas dela me tocaram"... E ainda: "tô chegando pastor, minha fé hoje é viva..." Depois de um tempo, ele nos avisou que havia feito uma música com base no que viveu naquela noite, era o lançamento de "Só os loucos sabem". 
 
Ele não encontrou forças para iniciar um processo de regeneração, não desenvolveu essa fé naquela noite explícita, não houve tempo para que ela provocasse a mudança que talvez o tivesse feito viver experiências diferentes das que viveu, mas conheci um cara de bom coração , autêntico, verdadeiro, sincero, que simplesmente creu. E não é a fé que nos justifica? O que nos afasta de Deus é nossa natureza, a fé nos aproxima. Por mais justos que sejamos, Deus só nos recebe por aquilo que Jesus fez, isso é graça... Me lembrei de uma história bonita, de um ladrão, condenado a morte de cruz, que na última hora clamou por Jesus e ouviu: "ainda hoje estarás comigo no paraíso".
 
Oro pela Graziela, que não tive ainda oportunidade de conhecer, por seu filho, sua mãe e seus irmãos e familiares. Perdi meu pai há 10 meses e sei o que é um luto, oro para que Deus os console da mesma forma que têm me consolado. 
 

veja também