O antes e o depois do filho pródigo...

O antes e o depois do filho pródigo...

Atualizado: Sexta-feira, 30 Agosto de 2013 as 10:44

A chamada parábola do filho pródigo (Lc 15.11-32) foi, com propriedade, intitulada Parábola do Pai Amoroso, num folheto que a transcreveu, da Sociedade Bíblica do Brasil. 
 
filho pródigo1 - A FARTURA EFETIVA ESPECIAL
 
O chamado filho pródigo, nos títulos dessa parábola pelos editores, já que era esbanjador, pegou sua herança e saiu do convívio do Pai. Perdeu tudo, foi cuidar de porcos, no contexto que estes eram a própria imundície, e, até, passou a desejar comer de sobras dos suínos, “mas ninguém lhe dava nada” (versículo 16b). Porém, quando caiu em si, levantou-se, pois pensou na fartura do Pai até para Seus trabalhadores (vers.17), enquanto ele morria de fome! (v.17c). 
 
Deus tem a fartura efetiva especial, especialmente no espiritual, bem como em todas as áreas imaginadas e inimagináveis da vida!!! Ao pensar na fartura do Pai que contrastava com sua situação, o filho sentiu que pecara (18b), e viu que não era digno de ser chamado de filho, satisfazendo-se em ser tratado como um dos trabalhadores do Pai (19). Ao chegar perto deste – se formos verificar o registro bíblico! –, disse pro Pai o que agendara, excetuando o dizer dever ser tratado como um dos trabalhadores do Pai!!! (21). A narrativa nos faz pensar que ele parou por aqui, pois o Pai o recebia como filho mesmo...
 
Essa parábola não é do bastardo, mas do filho, como a 1ª das duas paralelas anteriores não é do bode, mas, da ovelha. Porém, assim como a ovelha é perdida, o filho é perdido, como intitula a Bíblia na Linguagem de Hoje. Então, a ovelha precisou ser buscada, e o filho era aguardado de volta ao lar paternal. – Se você é filho pródigo, e não voltou para o Pai Amoroso, volte, logo!!!...
 
2 - A ABERTURA AFETIVA MAIORAL
 
O Pai – que muitos pregadores chegam a afirmar que todos os dias se punham no vestíbulo da casa para ver se o filho vinha! – viu este até de longe, e, sobretudo, “compadecido dele, correndo”, abraçou-o e beijou-o!!! (20b). 
 
Deus Se abre, amorosamente, na maior abertura afetiva! – e MELHOR!!! –. Aqui está o ponto que mostra esse Pai amoroso, com todas as expressões do verdadeiro amor ao filho, que Ele sempre sabia que era filho, mas este mesmo, até então, estava pensando ter perdido totalmente tal condição, como já vimos.
 
Então, ele tinha a grande vantagem de ser filho – mesmo que, até, morto (!!!) e perdido! –, pois um dia, até, reviveria (!!!) e seria achado (24a)!!!. – Se você está, até, morto (!!!) e perdido (!), você será, até, regenerado (!!!) e achado (!). Já correu para os braços do Pai? Se não, faça-o, logo-logo!!!... 
 
3 - A ESTRUTURA FESTIVA CELESTIAL
 
A estrutura de Festa de Deus tem melhor roupa, até anel, sandálias (22b) para ruas e estradas empoeiradas, e, carne, e, sobretudo, muita alegria (vv. 23 e 32).
 
Isso envolve até os céus, como está explícito nas parábolas paralelas anteriores – a da ovelha perdida, depois que foi achada, tem o registro triunfal da alegria genérica nos céus pelo específico, ou melhor, ESPECIAL (!), do pecador arrependido!!! (v. 7); a da dracma perdida, ao ser achada, recebe o relato festivo da alegria específica diante dos anjos pelo especial arrependimento do pecador (10) –. Na parábola do filho perdido, o Pai diz para o outro filho que era preciso os céus e a terra – (“nós”!) – se alegrassem, “porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.” (32). 
 
Temos muitos irmãos ainda longe, pois são eleitos filhos embora, ainda, fora do lar, mas com certeza de voltarem. – Você já fez isso? Se não, venha, senão você perderá o melhor! Venha, logo-logo-logo!!!... 
 
Antes do filho pródigo, tem o Pai Amoroso, com cousas positivas. Depois, tem o filho regenerado e achado. O filho pródigo não foi bobo, logo, logo, voltou para o Pai... Você já fez isso? – Se você não o fez, faça-o, já!!!... 
 
 
- Celso De Medeiros Costa
 

veja também