"O Deus que vive na Igreja é livre de preconceito", diz pastor em evento da IAP

"O Deus que vive na Igreja é livre de preconceito", diz pastor em evento da IAP

Atualizado: Terça-feira, 1 Dezembro de 2009 as 12

Por Juliana Simioni - www.guiame.com.br Na 45ª Assembleia Geral da Igreja Adventista da Promessa, que aconteceu em Sumaré (SP), nos dias 27, 28 e 29 de novembro, a liderança trabalhou o tema "Espírito Santo", divido em três tópicos: "O Deus que vive na Igreja", "Seus grandes feitos" e "O Deus que atua na Igreja".

&Espírito Santo: O Deus que vive na Igreja& foi o primeiro tópico a ser ministrado no sábado de manhã pelo pastor Hermes Pereira de Brito, vice-presidente da IAP.

Espírito missionário

A leitura bíblica feita pelo pastor encontra-se em Atos 2:1-2. "Assim como um corpo sem espírito não tem vida, a Igreja sem o Espírito Santo também é morta", afirmou. Com base na passagem lida, Hermes destacou cinco informações sobre a natureza do Espírito Santo.

A primeira característica citada foi que o Deus que vive na Igreja é missionário. Hermes explicou o fato de a festa de pentecostes ser a mais freqüentada de Jerusalém e de o discurso de Pedro, proferido para uma platéia internacional, ter convertido quase 3 mil pessoas, que levaram de volta para suas terras o evangelho do Senhor Jesus. "O trabalho missionário do Espírito Santo foi extraordinário", exclamou Brito.

Imprevisível, glorioso e misterioso

"O Deus que vive na Igreja é imprevisível", disse Hermes sobre outra característica do Espírito Santo que foi citada. Ele atentou para o segundo versículo de Atos 2 que se inicia com &de repente& e termina com &e encheu toda a casa onde estavam assentados&. O pastor ensinou que a "agenda" do Espírito Santo não é a nossa "agenda" e que, ao contrário do que alguns ensinam, não existe posição sagrada: "Os movimentos do Espírito Santo não podem ser calculados ou controlados, Ele age quando quer e como quer".

"Glorioso" é a terceira característica do Deus que vive na Igreja, segundo o pastor, que observou a parte do mesmo versículo de Atos, que diz: &veio do céu&. "Não veio do lado, não veio da terra. O Espírito veio do céu, é do céu. Não podemos confundi-lo com uma força. Ele é Deus!", afirmou.

A quarta característica citada foi "misterioso". Hermes comentou o fato de a chegada do Espírito Santo ser comparada em Atos 2 a um &vento impetuoso&. "O Espírito Santo não é um vento e nem veio em forma de vento, todavia, o som ouvido era semelhante ao do vento", explicou. Segundo o pastor, o Espírito Santo ser também compreendido como vento em outras passagens bíblicas, deve-se ao fato de ambos serem misteriosos, "ninguém sabe de onde vêm, nem para onde vão". "Não podemos ver o Espírito Santo, mas podemos senti-lo", disse ele.

Deus imparcial

A quinta e última característica citada pelo pastor foi: "O Deus que vive na Igreja é imparcial". Hermes observou que o final do segundo versículo de Atos 2 diz que o Espírito Santo encheu toda a casa, mesmo havendo no ambiente mulheres, discriminadas pela sociedade da época. "O Pentecostes rompe com o preconceito social e mostra que o Espírito Santo é para o negro, para o branco, para o rico, para o pobre, para o adulto, para a criança, para o homem, para a mulher, para o idoso, para o jovem, para o letrado e para o analfabeto. O Deus que vive na Igreja é livre de preconceito, não faz acepção de pessoas", enfatizou.

O pastor Hermes Pereira de Brito concluiu o sermão lembrando que a partir do Pentecostes o Espírito Santo nunca mais deixou a Igreja. "Missionário, imprevisível, glorioso, misterioso e imparcial, esse é o Deus que vive em nós. Que possamos orar como Davi: &não retires de mim o Teu Espírito Santo& (Sl 51:11)", finalizou.

Em entrevista ao Guia-me, o vice-presidente da IAP afirmou ter vivido várias experiências com o Espírito Santo e relatou uma das que mais o marcou: "Deus concedeu a mim uma cura que eu nem sabia que era algo importante e necessário para minha vida. No mesmo momento em que orávamos, e que Deus me curou, o Senhor Jesus abençoou a vida de uma pessoa e fez com que ela visse a Jesus como Filho de Deus, porque Ele havia operado uma cura em minha vida, e eu só soube três ou quatro anos depois. Isso foi fantástico!". Leia também: Espírito Santo é exaltado na 45ª Assembleia Geral da IAP

Leia também: "O Espírito Santo também age nos incrédulos", afirma palestrante em assembleia da IAP Leia também: "O Espírito Santo é o holofote que evidencia Jesus", diz presidente da IAP

Leia também: "Somos tentados a nos ver &melhores& quando subimos ao púlpito", afirma pastor em Assembleia da IAP

veja também