O Espírito Santo não deixa pegadas na areia

O Espírito Santo não deixa pegadas na areia

Atualizado: Quarta-feira, 6 Julho de 2011 as 8:24

"O Espírito Santo não deixa pegadas na areia". Essas palavras são de Abraham Kuyper, em sua obra clássica sobre o Espírito Santo. Jesus deixou pegadas na areia. Ele era o Deus em carne, Deus dotado de natureza humana. Quando os discípulos de Jesus andavam com ele, podiam ouvir a sua voz, tocar em suas mãos e observar a areia respingando sobre os seus pés, enquanto ele percorria as praias do mar da Galiléia.

Mas o Espírito Santo é como o vento. Disse Jesus: "O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai" (João 3.8).

Não se pode capturar o vento em uma garrafa. O vento é esquivo e misterioso, mas não obstante, é real. Vemos os efeitos do vento — árvores balançando e vergando ao vento, bandeiras drapejando. Vemos também a devastação causada pelos terríveis tufões. Vemos o oceano tornar-se violento sob o vendaval. Somos refrescados pela brisa gentil em um dia de verão. Sabemos que o vento está presente.

Outro tanto sucede no caso do Espírito Santo. Ele é intangível e invisível. Mas as suas operações são mais poderosas do que o vento mais violento. O Espírito Santo põe ordem no caos, e beleza na feiúra.

Ele pode transformar um homem maculado pelo pecado em um modelo de virtudes.

O Espírito Santo modifica as pessoas. O Autor da vida é, igualmente, o Transformador da vida.

Visto que o Espírito Santo é misterioso, somos vulneráveis diante das superstições e distorções sobre a sua pessoa e as suas operações.

Neste ponto devemos escutar com cuidado as Escrituras, enquanto elas nos revelam o caráter de Deus Espírito Santo.

Texto de RC Sproul.

Via: Teorlógico

veja também