O que é metaverso e como a igreja deve lidar com isso? Pastores analisam

A igreja deve ou não estar no metaverso? Pastores ponderam as oportunidades e ameaças da tecnologia.

Fonte: Guiame, Luana NovaesAtualizado: quinta-feira, 14 de abril de 2022 17:41
André Valadão anunciou a abertura da Lagoinha no metaverso. (Foto: Instagram/André Valadão)
André Valadão anunciou a abertura da Lagoinha no metaverso. (Foto: Instagram/André Valadão)

Para a maioria das pessoas, metaverso é uma palavra nova, que passou a ser mais conhecida depois que Mark Zuckerberg anunciou a mudança de nome da empresa Facebook, que agora se chama Meta.

Esta semana, a tecnologia se tornou um assunto novo também no meio cristão. Nesta quarta-feira (13), o pastor André Valadão estreou a primeira igreja brasileira no metaverso — a Lagoverso, desenvolvida pelo ministério de jogos digitais da Lagoinha Orlando Church.

Valadão anunciou que mais de 150 avatares entraram na igreja virtual e pelo menos 10 foram à frente e entregaram a vida para Jesus.

Mas o que exatamente é o metaverso e como a igreja deve lidar com o futuro da internet?

O metaverso nada mais é do que um “mundo digital”, que combina elementos da realidade virtual, realidade aumentada e internet. Ao entrar no universo virtual, cada pessoa escolhe um avatar para viver uma vida semelhante à real: se relacionar com pessoas, fazer compras, ir a shows, viajar ao redor do mundo e até mesmo ir à igreja.

Em entrevista ao Guiame, o pastor André Valadão disse que a igreja precisa estar presente onde as pessoas estão. “Atrás de um avatar é um ser humano e precisamos chegar em todos”, explicou.

Ele esclarece que a atuação da igreja no metaverso não substitui o papel fundamental dos templos físicos. “Assim como o alimento é insubstituível, o relacionamento humano nunca será substituído”, destacou.


A Lagoinha é a primeira igreja brasileira no metaverso. (Foto: Instagram/André Valadão)

Em julho de 2021, durante uma conferência virtual com grupos religiosos, a diretora de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, falou sobre a expectativa do envolvimento das igrejas na tecnologia.

“Nossa esperança é que um dia as pessoas também façam cultos nos espaços de realidade virtual ou usem a realidade aumentada como uma ferramenta de educação, para ensinar a seus filhos a história de sua fé”, disse Sandberg.

“Uma maneira de alcançar pessoas”

Nos Estados Unidos, a Life.Church, liderada pelo pastor Craig Groeschel (que desenvolveu o aplicativo da Bíblia YouVersion), tem sido uma líder em inovação entre as igrejas americanas.
Já em 2007, a Life.Church estudava como seria a igreja na realidade virtual. Não foi surpresa quando, em dezembro do ano passado, a igreja adicionou um campus no metaverso.

“Esta não é a primeira vez que realizamos cultos no metaverso. Em 2007, realizamos cultos no Second Life, que era um ambiente virtual 3D semelhante ao que você vê hoje no metaverso”, disse o pastor e líder de inovação da Life.Church, Bobby Gruenewald, ao site The Christian Post. 


A Life.Church, do pastor Craig Groeschel, tem uma igreja no metaverso. (Foto: Life.Church)

Gruenewald disse que se deparou com críticas, mas sustenta que a presença de igrejas no metaverso é válida. “Existem benefícios únicos para a igreja nos espaços digitais. É uma maneira de alcançar pessoas que talvez nunca ponham os pés em uma igreja física”, disse ele.

André Valadão defende o mesmo e lista alguns cuidados que a igreja deve ter para se manter bíblica, mesmo no metaverso: “Pregar a Palavra, apontar para Jesus e buscar usar todas as ferramentas que temos em nossa geração para falar de Jesus”.

Valadão também acredita que os cristãos devem “evitar julgar e criticar algo que sequer conhecem, para não passar vergonha como a Igreja já passou, falando de instrumentos como bateria, guitarra, televisão e por aí vai.”

Gruenewald também faz uma relação a questionamentos feitos no passado. “Quando o telefone foi inventado, havia a preocupação de que ninguém ia mais se reunir ou sair de casa. Esses argumentos existem há décadas, mas não se sustentam. Se o isolamento dos últimos dois anos nos ensinou alguma coisa, é que temos um desejo inerente do ser humano de estarmos juntos”, avaliou.

O pastor da Life.Church acredita ainda que, no ambiente online, muitas pessoas se sentem mais à vontade para expor suas vulnerabilidades. “A fachada física de um avatar dá às pessoas uma sensação de anonimato, que as ajuda a se sentirem mais à vontade para baixar a guarda. Elas vão falar sobre suas lutas contra a depressão, dificuldades em seu casamento e outros detalhes íntimos de sua vida, que as pessoas geralmente não falam tão facilmente em um ambiente físico.”

Mas nem todo líder cristão está animado com a participação da Igreja na evolução da tecnologia online.

Oportunidades e ameaças

No site The Gospel Coalition, o pastor Patrick Miller, que supervisiona ministérios digitais na igreja The Crossing, fez uma crítica à inserção da igreja no metaverso. Ele escreveu um artigo com Ian Harber, o diretor de comunicação de uma ONG no Texas. 

Para eles, o metaverso pode apresentar oportunidades, mas também ameaças. A primeira delas é uma possível crise de identidade. 

“Se você já acha que a sociedade luta com questões de identidade agora, se prepare”, disseram. “As pessoas podem começar a confundir sua identidade dada por Deus com a identidade auto-criada no metaverso. O debate sobre o transumanismo está à nossa porta.”

Os críticos também alertam sobre o risco de as pessoas tirarem os seus olhos da Criação de Deus. 

“Jesus chama seus seguidores para cuidar dos doentes, visitar os solitários, fortalecer os oprimidos e cuidar do meio ambiente. Sabemos que um mundo virtual criado por empresas de capital aberto nunca será mais real ou importante do que o mundo que Deus criou e chamou de ‘muito bom’”.


A Life.Church, dos EUA, tem uma igreja no metaverso. (Foto: Life.Church)

Por fim, ambos os líderes temem que o metaverso se transforme em uma “torre de Babel” do futuro. “Nossa torre de Babel futurista está nos atraindo com promessas de infinitude”, afirmam.

“Teremos a oportunidade de experimentar vislumbres do poder que só Deus tem. A prontidão da informação vai nos dar um vislumbre de ser onisciente. A capacidade de criar mundos e identidades vai nos dar um vislumbre de ser onipotente. A conquista das fronteiras geográficas vai nos permitir estar onde quisermos a qualquer momento, nos aproximando da onipresença”, eles argumentam. 

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições