O uso de drogas tem profunda ligação com o mundo espiritual, diz ex-adepto da Nova Era

Steven Bancarz diz que muitos adeptos do ocultismo usam drogas para 'facilitar um contato com o mundo espiritual'.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: quarta-feira, 27 de setembro de 2017 12:37
Steven Bancarz foi adepto da Nova Era e hoje é convertido ao cristianismo. (Imagem: Youtube)
Steven Bancarz foi adepto da Nova Era e hoje é convertido ao cristianismo. (Imagem: Youtube)

Um ex-adepto da Nova Era que se tornou um cristão após se entregar a Jesus está explicando o vínculo entre o uso de substâncias alucinógenas e o ocultismo e bruxaria.

Em um vídeo lançado em seu canal no YouTube, no último domingo, Steven Bancarz, que compartilhou seu notável testemunho com o 'Christian Post' no ano passado, revelou a escuridão espiritual ligada ao uso de drogas psicodélicas.

"As drogas psicodélicas são uma classe de substâncias que interagem com os receptores de seratonina no cérebro, causando uma alternância na percepção e às vezes resultando em experiências visionárias ou alucinantes", explicou Steven, lemrando que as substâncias mais comuns neste caso são LSD, DMT (Dimetiltriptamina), mescalina e alguns tipos de cogumelos.

Essas substâncias são usadas há milhares de anos entre os praticantes de religiões pagãs de todos os tipos, observou Bancarz. Ele fez o video em resposta às muitas perguntas que ele recebeu sobre este assunto, depois de abandonar suas crenças na Nova Era, e disse que ele teve alguma experiência pessoal com alucinações causadas por cogumelos no passado.

"O uso de psicodélicos tem profundas implicações espirituais", afirmou. E embora o termo "drogas psicodélicas" nunca apareça na Bíblia, as Escrituras condenam o uso dessas substâncias.

"E esses mesmos alertas bíblicos se aplicam a outras drogas, como a maconha, a metanfetamina e a cocaína", disse ele.


Biblicamente falando

O uso de psicodélicos frustra o significado da vida, disse Bancarz, que para o cristão é a "comunhão com Deus através de Jesus". Seja qual for o apelo presente no uso dessas drogas, como "expandir perspectivas", "estabelecer contato com o mundo espiritual", ou simplesmente satisfazer a curiosidade humana, Steven destacou que "o fim da vida humana deve ser restaurado ao relacionamento com o Pai, através da fé em Jesus".

"Falando biblicamente, a alteração da nossa consciência por meio das drogas não é algo que Deus nos chama a fazer. Isso não nos aproxima Dele em nada", disse Bancarz.

Ele observou que várias passagens do Novo Testamento que proíbem o uso de drogas, estão contidas em sua condenação à "feitiçaria", como em Gálatas 5: 19-21, onde está listado ao lado da imoralidade sexual, ciúmes e ataques de raiva - os outros pecados que o apóstolo Paulo chama de "obras da carne" que inibem as pessoas de herdar o Reino de Deus.

"A palavra grega usada aqui é a 'pharmakeia", disse Bancarz, "que é de onde derivamos a palavra farmácia".

Enquanto a "feitiçaria" se refere à magia em seu sentido mais literal, o termo também pode ser associado à 'magia com drogas', como substâncias e medicamentos usados ​​para cerimônias espirituais, recreativas, religiosas e outros fins não-medicinais.

O Livro de Enoque, embora não seja um livro canônico da Bíblia e não deva ser considerado inspirado por Deus como o os livros contidos na Bíblia, tem um citação nos verscículos 14 e 15 do único capítulo da epístola de Judas, na qual afirma essa definição, acrescentou Bancarz.

O Livro de Enoque também descreve como os anjos caídos ensinavam os seres humanos a utilizarem plantas e cortarem raízes para explorar seus compostos psicodélicos, provocar experiências metafísicas e lançar feitiços.

"Se as experiências místicas transpessoais que acompanham o uso de drogas não podem ser chamadas de 'pharmakeia', não sei o que pode. Creio que isto seja literalmente o que a palavra significa", lembrou.


Embriaguez

Em outras partes das Escrituras, como em 1 Corinthians 6:9, a "embriaguez" é condenada, e Bancarz afirmou que o uso de drogas se enquadra nesta categoria. A palavra usada nessa passagem é "methe", que se refere principalmente à intoxicação pelo álcool, mas inclui qualquer tipo de intoxicação. Seja qual for a substância, o uso de qualquer coisa que prejudique as faculdades físicas e mentais de alguém são desagradáveis para Deus.

Além disso, as Escrituras também exortam os cristãos a permanecerem sóbrios, continuou ele.

Em 1 Tessalonicenses 5:6; 2 Timóteo 4:5 e 1 Pedro 1:13, e vários outros casos enfatizam a importância de ficar sóbrio, sendo temperados no pensamento.

"E não podemos estar sóbrios em nossas mentes e em nosso pensamento, se estamos intoxicados sob estados de consciência quimicamente induzidos", disse Bancarz.

O uso de drogas psicodélicas também é uma prática pagã, e empregá-las é desobedecer o chamado de Deus para ser separado e distinto do mundo, uma nação santa, um povo puro para si mesmo, ressaltou.

"[Deus] quer que nós sejamos diferentes, pensemos diferente e ajamos diferente do resto do mundo", explicou Bancarz, "e historicamente falando, as únicas culturas que usaram essas substâncias [psicoativas] eram pagãs".

À luz de toda essa evidência, "precisamos nos afastar do nosso pecado, afastar o uso dessas substâncias, colocar nossa fé em Jesus para a nossa salvação e seguir o caminho reto e estreito que leva à vida eterna", concluiu. .

O site da Bancarz, "Razões para Jesus", é um centro de recursos apologéticos que ajuda os cristãos a entenderem o engano do ocultimo e do reino demoníaco.

Siga-nos

Mais do Guiame